jusbrasil.com.br
2 de Março de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 3 meses
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
1ª Câmara de Direito Privado
Publicação
30/11/2020
Julgamento
30 de Novembro de 2020
Relator
Augusto Rezende
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SP_AC_10199377220208260100_ed5b9.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2020.0000982155

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº 1019937-72.2020.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante BAALBEK COOPERATIVA HABITACIONAL, é apelada ROSELAINE TAFARELLO NASCIMENTO BESERRA.

ACORDAM , em sessão permanente e virtual da 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: Negaram provimento ao recurso. V. U. , de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores RUI CASCALDI (Presidente sem voto), JOSÉ EDUARDO MARCONDES MACHADO E LUIZ ANTONIO DE GODOY.

São Paulo, 30 de novembro de 2020.

AUGUSTO REZENDE

Relator

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Apelação nº 1019937-72.2020.8.26.0100

Apelante: Baalbek Cooperativa Habitacional

Apelada: Roselaine Tafarello Nascimento Beserra

Comarca: São Paulo

Juíza de primeiro grau: Paula Regina Schempf Cattan

Voto nº 11799

Compromisso de compra e venda. Cooperativa habitacional. Natureza contratual. Aplicabilidade do CDC. Súmula 602 do STJ. Desistência do aderente. Admissibilidade da rescisão, com devolução dos valores pagos. Precedentes. Cabimento da retenção de 20% das parcelas pagas, nestas incluídos prêmios de seguro. Aplicação irrestrita do estatuto que implica exagerada desvantagem ao consumidor. Sucumbência integral da ré configurada. Recurso improvido.

RELATÓRIO

A r. sentença de fls. 388/392, cujo relatório é adotado, julgou parcialmente procedentes os pedidos iniciais, “para declarar rescindido o contrato firmado entre as partes e condenar a ré na devolução de 80% do total das quantias pagas pela autora, de uma só vez, incidindo correção monetária pela Tabela Prática do E.TJSP desde a data dos respectivos desembolsos e juros moratórios de 1% a partir do trânsito em julgado”. Estabeleceu que arcará a ré integralmente com o pagamento das custas e despesas processuais, bem como dos honorários advocatícios do patrono da autora, fixados em 10% sobre o valor atualizado da condenação.

Apela a requerida argumentando, em síntese, que: é cooperativa habitacional regularmente constituída, por isso plenamente aplicável seu estatuto aos cooperados, na forma da Lei nº 5.764/71, e de outro lado incabível a incidência do CDC; a autora deu causa à resolução do contrato, pelo que deve responder integralmente pelas cominações previstas, como a retenção de 20% do fundo habitacional a título indenizatório; é

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

incabível a devolução dos prêmios de seguro de vida, eis que já repassados à seguradora; e a sucumbência é recíproca. Manifesta, ainda, prequestionamento aos artigos 14, 21, 22, 28, 29, 32, 33, 34, 38, 44, 45, 79, da Lei nº 5.764/71, e artigos 174, § 2º, e 146, III, a, da CF.

Recurso tempestivo, acompanhado de comprovante de preparo e contrarrazoado.

É o relatório.

ARGUMENTAÇÃO E DISPOSITIVO

Pouco importando a denominação que se tenha dado aos instrumentos pelos quais o autor da ação aderiu ao plano habitacional criado pela cooperativa requerida, o pacto entre eles celebrado tem a indisfarçável natureza de um contrato de compromisso de compra e venda de imóvel.

Não há como admitir tratar-se de mera relação entre cooperados, regida pela Lei nº 5.764/71, sendo evidente que não era propósito do aderente constituir uma cooperativa, mas sim adquirir um bem por intermédio dela.

Por meio do contrato o autor pretendeu adquirir futuramente unidade habitacional, ajustando-se preço, forma de pagamento e vencimento.

Nessa perspectiva, já se consolidou o entendimento, cristalizado na Súmula 602 do Superior Tribunal de Justiça, segundo o qual “O Código de Defesa do Consumidor é aplicável aos empreendimentos habitacionais promovidos pelas sociedades cooperativas”.

Nos termos da Súmula nº 01 desta Corte, “O compromissário comprador de imóvel, mesmo inadimplente, pode pedir a rescisão do contrato e reaver as quantias pagas, admitida a compensação com gastos próprios de administração e propaganda feitos pelo compromissário vendedor, assim como

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

com o valor que se arbitrar pelo tempo de ocupação do bem”.

Nada impede o cooperado de invocar normas legais supletivas às do estatuto da cooperativa, orientadas pelos princípios gerais do direito e pelo CDC, até para se verificar eventual iniqüidade, a revelar locupletamento sem causa, entre as disposições invocadas pela requerida.

Nesse passo, de fato mostra-se inviável a aplicação irrestrita das disposições do estatuto, que faz alusão a dois fundos como destinos principais dos pagamentos (fundo habitacional e fundo administrativo), adotando como base de retenção somente o primeiro.

Previsão que, no caso concreto, implica exagerada desvantagem ao adquirente, conforme assentado no decisum:

“... A base de cálculo são todos os valores pagos pela autora e não apenas o fundo habitacional pago, já que a retenção de 20% é suficiente para repor a posição da ré relativa ao ressarcimento dos trabalhos, gastos com publicidade, tributos e despesas administrativas, que se presumem. Veja-se que a autora sequer se imitiu na posse do imóvel, podendo a ré recomercializar a unidade, devendo apenas ser reembolsada dos gastos havidos.”.

Esta Câmara em casos análogos tem assentado que a retenção, quando a resolução do negócio decorrer de iniciativa do comprador, deve corresponder a 20% dos valores desembolsados, constituindo estimativa razoável para as perdas administrativas.

Nesse sentido:

COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA. Negócio jurídico sob a forma de associação cooperativa. Incidência do Código de Defesa do Consumidor. Resolução do contrato por impossibilidade do adquirente. Determinação de restituição das prestações pagas, com retenção de 10%. Pretensão da cooperativa à majoração da retenção. Admissibilidade. Fixação do percentual de retenção em 20% das parcelas pagas a título indenizatório, percentual

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

adequado à Jurisprudência pacífica desta Corte em casos semelhantes. Impossibilidade de aplicação suplementar da cláusula penal de retenção de 20% dos valores pagos a título de fundo habitacional. Dispositivo que conduziria a retenção excessiva. Impossibilidade de desconto dos valores relativos a seguro prestamista, já incluídos no percentual de retenção. Sucumbência da requerida mantida, a teor do art. 86, parágrafo único, do CPC. Recurso parcialmente provido (TJSP; Apelação Cível 1077156-77.2019.8.26.0100; Relator (a): Francisco Loureiro; Órgão Julgador: 1ª Câmara de Direito Privado; Foro Central Cível - 40ª Vara Cível; Data do Julgamento: 04/08/2020; Data de Registro: 04/08/2020).

Compromisso de compra e venda. Cooperativa habitacional. Aplicabilidade do CDC. Dissolução do contrato em virtude de inadimplemento da adquirente. Circunstância que não impede a devolução das parcelas pagas, sob pena de ofensa ao art. 53 do CDC. Retenção de 20% dos valores pagos, na esteira da orientação da Câmara. Abusividade do regimento interno da cooperativa quanto ao montante da retenção. Valores destinados ao fundo administrativo e ao fundo de reserva que se devem incluir entre aqueles a se devolver. Seguro prestamista que também se deve incluir entre tais valores. Irresignação que prospera, porém, no tocante à distribuição dos ônus sucumbenciais. Sentença parcialmente revista. Recurso parcialmente provido (TJSP;

Apelação Cível 1005899-08.2019.8.26.0127; Relator (a): Claudio Godoy; Órgão Julgador: 1ª Câmara de Direito Privado; Foro de Carapicuíba - 2ª Vara Cível; Data do Julgamento: 10/06/2020; Data de Registro: 10/06/2020).

Apelação. Compromisso de compra e venda de imóvel. Resolução a pedido do adquirente. Contratação na forma de cooperativa habitacional. Ausência de ato de cooperativismo. Verdadeira incorporação imobiliária. Aplicação do CDC e afastamento da pretensão de resolução com base em disposições estatutárias. Restituição dos valores pagos, com retenção de 20%, conforme jurisprudência deste Tribunal. Declaração de nulidade da cláusula contratual relativa à rescisão. Juros moratórios incidentes quanto ao montante a ser restituído. Termo inicial fixado desde o trânsito em julgado. Inexistência de mora do promitente-vendedor em razão da restituição em desconformidade com a previsão do contrato. Precedentes do STJ e TJSP. Recurso parcialmente provido (TJSP; Apelação Cível 1134538-33.2016.8.26.0100; Relator (a): Enéas Costa Garcia; Órgão Julgador: 1ª Câmara de Direito Privado; Foro Central Cível - 22ª Vara Cível; Data do

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Julgamento: 28/05/2019; Data de Registro: 28/05/2019).

Apelação Cível. Cooperativa habitacional Cooperado que formalizou pedido de desistência de permanecer nos quadros associativos por "motivos particulares" e manifestou ciência de que os valores pagos seriam devolvidos no prazo de dois anos e com a dedução de 20%, nos termos do regulamento interno da cooperativa Rescisão por culpa do autor-cooperado Caracterização de relação de consumo, com incidência do Código de Defesa do Consumidor

Recondução das partes ao "statu quo ante" Adequada a devolução dos valores pagos, com retenção de 20% pela ré

Restituição que, no entanto, deve ser realizada em parcela única e de forma imediata Súmula nº 2 deste Egrégio Tribunal de Justiça Danos morais não caracterizados

Impontualidade no pagamento das parcelas. Dá-se provimento em parte ao recurso (TJSP; Apelação Cível 1005383-10.2016.8.26.0477; Relator (a): Christine Santini; Órgão Julgador: 1ª Câmara de Direito Privado; Foro de Praia Grande - 1ª Vara Cível; Data do Julgamento: 25/09/2018; Data de Registro: 26/09/2018).

Fica mantida a retenção, portanto, em 20% dos

valores pagos pela autora, devendo a restituição ocorrer em

única vez, conforme entendimento consolidado (Súmula nº 543 do STJ e Súmula nº 2 do TJ/SP).

Por outro lado, o valor correspondente ao seguro de

vida, ao que se verifica, compunha a prestação mensal (fls.

21/23) e foi exigido sem a possibilidade de a autora eleger a seguradora de sua preferência, bem como as condições da

cobertura, de maneira que não pode ser tratado de forma distinta para justificar a sua integral retenção. Fazendo parte da parcela

contratual, deve integrar, portanto, a base de cálculo do

percentual de restituição.

Com o desfecho da demanda, a apelante sucumbiu integralmente na lide, haja vista o acolhimento em essência do

pedido inicial, consistente na rescisão do negócio jurídico e

restituição de 80% das quantias pagas pela apelada (fls. 15).

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Cediço que a imposição do pagamento de honorários advocatícios à parte vencida é inerente ao fenômeno da sucumbência. Espécie de condenação que decorre da lei (art. 85 do CPC) tendo em vista o fato objetivo da derrota no processo.

Por fim, é de se consignar que, adotados os entendimentos supra estabelecidos, não se tem por malferidos no caso concreto os dispositivos invocados pela apelante, que se consideram prequestionados para os devidos fins de direito.

Ante o exposto, nego provimento ao recurso e, por força do art. 85, § 11, do CPC, elevo os honorários devidos pela apelante para 15% do valor da condenação atualizado.

É como voto.

Augusto Rezende

Relator

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1135012581/apelacao-civel-ac-10199377220208260100-sp-1019937-7220208260100/inteiro-teor-1135012611