jusbrasil.com.br
20 de Agosto de 2017
    Adicione tópicos

    TJ-SP - Agravo Regimental : AGR 02520336620128260000 SP 0252033-66.2012.8.26.0000 - Inteiro Teor

    Tribunal de Justiça de São Paulo
    há 5 anos

    Inteiro Teor

    PODER JUDICIÁRIO

    TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

    Registro: 2013.0000021481

    ACÓRDÃO

    Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo Regimental nº 0252033-66.2012.8.26.0000/50000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SP LOG EQUIPAMENTOS LTDA, é agravado DESMONTEC DEMOLIÇÕES E TERRAPLANAGEM LTDA.

    ACORDAM , em 35ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Negaram provimento ao recurso. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

    O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ARTUR MARQUES (Presidente) e MENDES GOMES.

    São Paulo, 28 de janeiro de 2013.

    José Malerbi

    RELATOR

    Assinatura Eletrônica

    2

    PODER JUDICIÁRIO

    Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

    AGRAVO REGIMENTAL Nº 0252033-66.2012.8.26.0000/50000

    COMARCA DE : SÃO PAULO

    AGRAVANTE : SP LOG EQUIPAMENTOS LTDA.

    AGRAVADO : DESMONTEC DEMOLIÇÕES E TERRAPLANAGEM LTDA.

    VOTO Nº 23.071

    EMENTA

    AGRAVO INTERNO - Mantém-se a decisão monocrática que negou seguimento ao recurso LOCAÇÃO -EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL FUNDADA EM DUPLICATA E CONTRATO SEM ASSINATURA DE DUAS TESTEMUNHAS - Sem a assinatura das testemunhas no contrato não está caracterizado o documento como título executivo, nos termos do art. 585, II, do CPC, bem como a locação não autoriza o saque de duplicata mercantil, impondo a extinção da execução por inexistência de título executivo que autorize a execução. - Agravo não

    provido.

    Trata-se de agravo previsto no art. 557, § 1º do CPC, interposto contra decisão monocrática deste relator, que deu provimento ao recurso. Alega a agravante que a decisão encontra-se equivocada, na medida em que limita-se a apoiar-se em apenas uma jurisprudência deste Tribunal, sem

    mencionar a súmula ou jurisprudência dominante de Tribunal superior a que se apoia, na forma determinada no § 1º do art. 557 do CPC. Afirma que os contratos de locação de bens móveis também podem ser abrangidos pela disposição

    expressa do art. 585, V do CPC, não havendo, ainda, qualquer disposição legal em contrário. Ressalta que o agravado tenta descaracterizar o título alegando suposta nulidade da duplicata, não refutando a ausência de assinatura de duas

    testemunhas. Assevera que a exceção de executividade não deveria ter sido

    3

    PODER JUDICIÁRIO

    Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

    AGRAVO REGIMENTAL Nº 0252033-66.2012.8.26.0000/50000

    acolhida, pois a execução está fundada também em contrato de locação de bens

    móveis e não somente em duplicata.

    É o relatório.

    A decisão monocrática, com base no disposto no art. 557 do CPC, pode ser utilizada pelo relator para negar seguimento ou dar provimento ao recurso sempre que a convicção do julgador estiver baseada em questões pacificadas pelo próprio Tribunal ad quem ou ainda pelo STJ ou STF. Também é autorizada a decisão monocrática se o recurso for manifestamente procedente, inadmissível ou prejudicado. O escopo da norma é permitir que, por decisão

    singular do relator, haja a pronta prestação jurisdicional equivalente àquela que ocorreria caso o processo fosse julgado pelo órgão fracionário, ao qual ficam reservados aos julgamentos de recursos que encerrem matéria controversa 1 .

    A tese permite juízo de mérito pelo relator porque decorre de obediência à norma legal. De qualquer forma, a discussão deixa de ter relevância à vista da matéria recursal ser submetida à apreciação do órgão colegiado.

    Como já explicitado na decisão monocrática, a exceção de executividade é mecanismo adotado pela doutrina e jurisprudência para deduzir matérias que independem de dilação probatória ou que podem ser cognoscíveis de ofício e a qualquer tempo, sem necessidade de segurança do juízo. No caso, a matéria se refere à nulidade da execução (art. 618, CPC), o que se revela de plano,

    1 A.Interno. nº 1.286.122-1/6, Rel. Mendes Gomes.

    4

    PODER JUDICIÁRIO

    Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

    AGRAVO REGIMENTAL Nº 0252033-66.2012.8.26.0000/50000

    ndependente de maiores questionamentos 2 .

    Repita-se que está assente na doutrina e jurisprudência a possibilidade de o devedor usar da exceção independentemente de penhora ou depósito da coisa e sem sujeição ao procedimento dos embargos, sempre que sua defesa se referir a matéria de ordem pública e ligada às condições da ação

    executiva e seus pressupostos processuais” 3 .

    Também, Luiz Guilherme Marinoni e Sérgio Cruz Arenhart asseveram que, “em geral, os tribunais aceitam que sejam alegadas, desta forma, quaisquer objeções processuais, bem como as defesas materiais que o juiz possa conhecer de ofício (como prescrição e decadência) e ainda aquelas que puderem ser provadas de plano. Curiosamente, vê-se reproduzidas nessa relação exatamente as matérias que, no direito antigo, poderiam ser alegadas nas execuções per officium iudicis, tidas como as 'exceções passíveis de prova fácil'. Por sua...

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.