jusbrasil.com.br
14 de Junho de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Agravo de Instrumento : AI 2220861-91.2020.8.26.0000 SP 2220861-91.2020.8.26.0000 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
mês passado
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial
Publicação
07/05/2021
Julgamento
7 de Maio de 2021
Relator
Cesar Ciampolini
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SP_AI_22208619120208260000_e6b6a.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2021.0000349512

1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial

Agravo de Instrumento nº 2220861-91.2020.8.26.0000

Comarca: São Paulo 2ª Vara Empresarial e de Conflitos relacionados à Arbitragem MM. Juiz de Direito Dr. Eduardo Palma Pellegrinelli

Agravantes: Maria Leonor Barros Saad e Marcia de Barros Saad

Agravados: Aricanduva S.A., Ricardo de Barros Saad, João Carlos Saad

e Marisa de Barros Saad

DECISÃO MONOCRÁTICA (VOTO Nº 23.120)

Vistos etc.

Ao despachar pela primeira vez neste agravo de instrumento, indeferindo a liminar, assim sumariei a disputa recursal:

Vistos etc.

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra decisão que, nos autos de ação de dissolução de sociedade por ações ajuizada por Maria Leonor Barros Saad e outra contra Aricanduva S.A. e outros, indeferiu tutela de urgência para a) pagamento imediato de haveres incontroversos; b) nomeação de fiscal para acompanhar a administração da companhia; c) determinar que os administradores se abstenham de praticar atos estranhos

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ao objeto social da sociedade, verbis :

'Vistos. (...)

2- Trata-se de ação promovida por MARCIA DE BARROS SAAD e MARIA LEONOR BARROS SAAD em face de ARICANDUVA S/A, RICARDO DE BARROS SAAD, JOÃO CARLOS SAAD e MARISA DE BARROS SAAD, visando a dissolução parcial de sociedade (fls. 01/27).

Alegam as autoras, em síntese, que a ARICANDUVA é uma sociedade familiar, sendo o capital social titularizado por MARCIA, MARIA, RICARDO, JOÃO e MARISA, na proporção de 20% do capital social, respectivamente. Haveria grande desentendimento entre os acionistas, o que teria ocasionado a perda da afeição social. Alegam, ainda, que o último balancete de verificação contabilizou o patrimônio líquido de R$ 42.704.761,02, para 31.12.2019, o que caracterizaria os haveres incontroversos, justificando a aplicação da regra do art. 604, § 1º, do CPC.

Foi formulado pedido de tutela de urgência para: '(i.i) a determinação de que a Companhia promova, nos termos do art. 604, § 1º, do CPC, o depósito espontâneo do montante de R$ 16.966.601,55, devidamente atualizado segundo os índices desse E. TJSP, equivalente a 39,73% do Patrimônio Líquido da Aricanduva em 31.12.2019 (segundo sua própria administração) ou, subsidiariamente, o bloqueio de valores ou bens da Aricanduva no mesmo montante, a fim de garantir o pagamento dos haveres devidos às Autoras; e (i.ii) a nomeação de fiscal, de confiança de D. Juízo, para acompanhar a administração da Aricanduva (às expensas da Companhia), até o pagamento efetivo dos haveres devidos às Autoras, com a função de produzir relatórios mensais sobre a regularidade dos atos de gestão, a evolução do patrimônio da Companhia e a adequação dos atos de administração às melhores práticas empresariais, podendo, ainda, tratar sobre temas específicos' (fls. 23).

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A petição inicial foi instruída com documentos (fls. 28/576).

Considerando as peculiaridades do caso, foi facultado que os réus se manifestassem sobre a tutela de urgência (fls. 581/582).

Os réus compareceram espontaneamente ao processo.

Em sua manifestação sobre a tutela de urgência MARISA alegou, em síntese, a inexistência de haveres incontroversos, bem como que não haveria justificativa para a intervenção judicial na sociedade (fls. 638/652).

A manifestação foi instruída com documentos (fls. 653/878).

Em sua manifestação sobre a tutela de urgência RICARDO alegou, em síntese, a inexistência de haveres incontroversos, bem como que não haveria justificativa para a intervenção judicial na sociedade (fls. 883/884).

A manifestação foi instruída com documentos (fls. 885).

Em sua manifestação sobre a tutela de urgência JOÃO alegou, em síntese, que '...não há oposição ao pedido de dissolução parcial da sociedade objeto desta ação...', sendo que, entretanto, 'O valor dos haveres cabíveis às autoras pela saída dos quadros societários da Aricanduva e da Aribisa é absolutamente desconhecido, depende de apuração, e uma vez determinado haverá necessidade de preparação para pagamento'. Alega, ainda, que não haveria justificativa para a intervenção judicial na sociedade (fls. 886/896).

Em sua manifestação sobre a tutela de urgência ARICANDUVA alegou, em síntese, que não haveriam haveres incontroversos, sendo que 'O estatuto social da Aribisa é silente a respeito de tais critérios, de modo que, na eventualidade de decretação da dissolução parcial, esses aspectos deverão ser fixados...'. Alegam, ainda, que '...aqueles documentos foram elaborados há mais de 8 meses (fechamento em 31.12.19) e a data-base para eventual

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

cálculo dos haveres ainda deverá ser fixada por este MM. Juízo, mas seguramente não será 31.12.19'. Alegam, por fim, que a administração da sociedade é regular, não havendo justificativa para a intervenção pretendida (fls. 900/918).

A manifestação foi instruída com documentos (fls. 919/964).

É o relatório. Passo a decidir.

Em relação à antecipação dos efeitos da tutela, assim determina o art. 300 do CPC:

'Art. 300. A tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.

§ 1º Para a concessão da tutela de urgência, o juiz pode, conforme o caso, exigir caução real ou fideijussória idônea para ressarcir os danos que a outra parte possa vir a sofrer, podendo a caução ser dispensada se a parte economicamente hipossuficiente não puder oferecê-la.

§ 2º A tutela de urgência pode ser concedida liminarmente ou após justificação prévia.

§ 3º A tutela de urgência de natureza antecipada não será concedida quando houver perigo de irreversibilidade dos efeitos da decisão'.

Assim, essencialmente, conceder-se-á a tutela de urgência quando houver: (1) probabilidade do direito; e (2) risco de dano de perecimento do próprio direito ou ao resultado útil do processo; por outro lado, não pode existir perigo de irreversibilidade da medida.

No caso, em um exame preliminar e de probabilidade, não estão presentes

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

os requisitos para a concessão da tutela de urgência.

É incontroverso que a ARICANDUVA é uma sociedade familiar, sendo o capital social titularizado por MARCIA, MARIA, RICARDO, JOÃO e MARISA.

Também é incontroverso que há grande desentendimento entre os acionistas, inclusive com o ajuizamento de diversas ações judiciais (fls. 103/333).

Entretanto, o estatuto da ARICANDUVA não estabelece regras para a sua dissolução parcial (fls. 39/102), o que torna necessário decisão sobre a possibilidade de aplicação do instituto, além da fixação da data base, do critério para a apuração dos haveres e da forma de pagamento.

Nesse contexto, em que pese o balancete de verificação tenha contabilizado o patrimônio líquido de R$ 42.704.761,02 para 31.12.2019 (fls. 375/382), por ora, tal valor não pode ser utilizado para a quantificação dos haveres das autoras, por haver incerteza quanto a data base e o critério para a apuração.

Assim, o que caracterizaria os haveres incontroversos, justificando a aplicação da regra do art. 604, § 1º, do CPC.

No mais, em um exame preliminar, a existência de operações financeiras entre as sociedades que integram o grupo familiar, por si só, não possibilitam o reconhecimento de irregularidades na administração, principalmente considerando o fato de que, aparentemente, as operações eram conhecidas pelos sócios, foram aprovadas e regularmente formalizadas.

Por fim, há que se observar que eventual fixação de data base seria retroativa, o que diminui o risco de prejuízos advindos das consequências de futuros atos de administração.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Diante do exposto, indefiro a tutela de urgência.

3- No mais, aguarde-se o transcurso do prazo para a resposta.

Int.'. (fls. 969/972, dos autos principais) .

Alegam as agravantes, em síntese, que (a) a agravada Aricanduva S.A. tem por objeto social a exploração, com exclusividade, de atividades imobiliárias, não fazendo parte do grupo Bandeirantes de rádio e televisão; (b) não faz a sociedade parte, destarte, do acordo societário que regula a administração do grupo Bandeirantes (c) em que pese isso, foram realizados, sem seu conhecimento, tampouco anuência, empréstimos da Aricanduva para o grupo Bandeirantes que totalizam mais de 57 milhões de reais; (d) a concessão de empréstimos é estranha ao objeto social da Aricanduva; (e) não participam do diaadia da sociedade, tendo começado a revisar sua contabilidade após notícias de potenciais atos de corrupção em 2018; (f) os sócios agravados confessaram que os empréstimos foram realizados; (g) recentemente, em razão de empréstimo tomado do Banco Industrial do Brasil, com repasse integral para o grupo Bandeirantes, a Aricanduva sofreu processo de execução de título extrajudicial em montante de quase 20 milhões de reais; (h) há risco de que os administradores dilapidem o patrimônio da sociedade antes do efetivo pagamento de seus haveres; (i) é evidente que houve quebra da affectio societatis , o que justifica a dissolução parcial.

Pleiteiam antecipação de tutela recursal para 'determinar que a administração da Aricanduva se abstenha de praticar atos estranhos ao objeto social da Companhia até o pagamento dos haveres devidos às Autoras' e, a final, a reforma da decisão recorrida.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Requerem, ainda, a decretação de segredo de justiça.

Manifestação da agravada Aricanduva S.A., a fls. 173/185, com a juntada de documentos.

O recurso foi originalmente distribuído, no seio desta 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial, ao ilustre Desembargador ALEXANDRE LAZZARINI (fl. 171). S. Exa., contudo, ao reconhecer a existência de conexão deste agravo de instrumento com a Ap. 1129932-88.2018.8.26.0100, de minha relatoria, determinou sua redistribuição por dependência (fls. 198/200).

Após despacho da Presidência da Seção de Direito Privado (fl. 201), o recurso foi a mim redistribuído (fl. 202).

Oposição ao julgamento virtual manifestado pelas agravantes à fl. 204.

É o relatório.

De início, indefiro o pedido de segredo de justiça ao recurso, uma vez que a publicidade dos atos processuais é a regra do sistema (art. , LX, e art. 93, IX, da Constituição Federal) e, ademais, o presente caso não se enquadra em nenhuma das exceções taxativas do art. 189 do CPC.

Dito isso, não estão presentes os requisitos para deferir-se a antecipação de tutela recursal pretendida.

As agravantes alegam que a Aricanduva S.A. não faz parte do denominado grupo Bandeirantes de rádio e televisão, que integram, em conjunto com seus irmãos, ora agravados. Além disso, sustentam que a atividade da

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

sociedade é exclusivamente imobiliária, estando fora de seu objeto social a celebração de mútuo.

Em análise perfunctória, a cabível neste momento processual, a assertiva de que a Aricanduva S.A. não pertence e não mistura-se com o grupo Bandeirantes, mostra-se, data venia , contraditória, haja vista que as próprias agravantes aprovaram, em 8/2/2017, que a sociedade fosse avalista da Rádio e Televisão Bandeirantes S.A., em operação com a Caixa Econômica Federal (fls. 195/197).

Nessa operação, cabe destacar, a Aricanduva S.A., além do mais, alienou fiduciariamente à Caixa Econômica Federal, diversos bens imóveis que integram seu acervo patrimonial.

Dessa forma, os elementos juntos aos autos até o momento indicam a existência de vínculos financeiros entre a Aricanduva S.A. e as empresas do grupo Bandeirantes, o que afasta, em tese, a alegação de desvio por parte da administração, da qual fazem parte, ressalta-se, as agravantes (fls. 186/194).

No mais, cabe pontuar que o pedido formulado de que seja determinado o cumprimento do estatuto social da Aricanduva S.A. por seus administradores é, a princípio, inócuo. Não faz sentido determinar-se, judicialmente, que se cumpra o estatuto. Quem quer que a ele esteja submetido, deve-lhe obediência.

Caso as agravantes entendam ter havido a prática de atos que extrapolem o objeto social da companhia, deverão, querendo, pleitear, em ação própria, o que de direito.

Portanto, indefiro, como dito, a liminar.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

À contraminuta.

Intimem-se” (fls. 207/216; destaques do original).

Pedido de reconsideração a fls. 219/232.

Contraminutas a fls. 341/360 (Aricanduva S.A.), 490/500 (Ricardo de Barros Saad), 503/508 (Marisa de Barros Saad) e 510/516 (João Carlos Saad).

Manifestação das agravantes a fls. 543/559.

Petição da agravada Aricanduva S.A. a fls. 563/565.

Nova manifestação das agravantes a fls. 680/90.

É o relatório.

Melhor refletindo, é caso de não se conhecer do recurso.

O pedido recursal formulado pelas agravantes, conforme consta do relatório, é que seja determinado que “(...) a administração da Aricanduva se abstenha de praticar atos estranhos ao

Agravo de Instrumento nº 2220861-91.2020.8.26.0000 - MONOCRÁTICA (VOTO Nº 23.120) AT - 9/11

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

objeto social da Companhia até o pagamento dos haveres devidos (...)”.

Assim sendo, inexiste, data venia , interesse recursal.

Como dito na decisão antes transcrita, o provimento jurisdicional requerido é inócuo, posto que o cumprimento pelos sócios do quanto estabelecido pelo estatuto social é obrigatório, independendo de ordem judicial.

Assim, não há lesividade na decisão que justifique a interposição deste recurso.

Aliás, a decisão agravada sequer abordou esse pedido, trazido diretamente ao Tribunal.

Eventuais descumprimentos do estatuto, apurados na origem ou alhures, poderão ser objeto das medidas judiciais cabíveis.

Pelo exposto, não conheço do agravo de instrumento, por inadmissível, ausente lesividade, no momento processual do art. 932, III, do CPC.

Advirto as recorrentes acerca da penalidade do

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

§ 4º do art. 1.021 do CPC, se acaso vier a ser interposto agravo interno.

Intimem-se.

São Paulo, 7 de maio de 2021.

CESAR CIAMPOLINI

Relator

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1204635292/agravo-de-instrumento-ai-22208619120208260000-sp-2220861-9120208260000/inteiro-teor-1204635321