jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1047749-47.2020.8.26.0114 SP 1047749-47.2020.8.26.0114

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 7 meses
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial
Publicação
22/10/2021
Julgamento
6 de Outubro de 2021
Relator
Cesar Ciampolini
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SP_AC_10477494720208260114_adfdd.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

Ação cominatória (obrigação de não fazer), cumulada com pedido de índole indenizatória, por alegada violação a contrato de franquia (de escola de idiomas sob a marca "Wizard"), ajuizada por franqueadora contra ex-franqueados. Sentença de procedência. Apelação dos réus. Alegação de que a franqueadora teria omitido informações sobre pendências judiciais. Ausência de demonstração de que as ações ajuizadas contra a franqueadora pudessem paralisar, ou de algum modo afetar o funcionamento da unidade franquiada. Eventuais vícios na Circular de Oferta de Franquia, ademais, há muito convalidados, em razão da regular exploração do negócio por toda a duração do contrato. Enunciado IV do Grupo de Câmaras Reservadas de Direito Empresarial deste Tribunal. Inexistência de prova de que tenha havido falta de suporte na divulgação da unidade de ensino. Erros nos materiais didáticos que não prejudicaram a relação contratual e a integralidade da marca perante os alunos e professores. Inexistência de entraves para venda da unidade fraqueada. Cumprimento, enfim, pela franqueadora de seus deveres contratuais. Cláusula de não-concorrência que não contraria o mandamento constitucional da livre iniciativa e, ao contrário, serve para preservar o ambiente negocial, salvaguardando o modelo de negócios da franqueadora. Provas de que os franqueados exploram negócio similar, concorrendo com a franqueadora. Alegação de utilização de metodologia distinta. Apesar de a interpretação de cláusulas de "non compete" dever ser restritiva, não há qualquer elemento nos autos a indicar o uso de método distinto do adotado pela autora. O ônus da prova de eventual causa impeditiva, modificativa ou extintiva do direito da autora cabia aos réus ( CPC, art. 373, II). Desse ônus, os réus, todavia, não se desincumbiram. Manutenção da sentença apelação. Apelação a que se nega provimento, com observação no que tange ao prazo final de vigência da cláusula de "non compete".
Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1303405389/apelacao-civel-ac-10477494720208260114-sp-1047749-4720208260114

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP: 2093460-80.2018.8.26.0000 SP 2093460-80.2018.8.26.0000

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1000943-80.2020.8.26.0072 SP 1000943-80.2020.8.26.0072

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1029021-94.2016.8.26.0405 SP 1029021-94.2016.8.26.0405

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 18 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 545814 SP 2003/0082425-2

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 17 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Agravo de Instrumento: AI 7027944800 SP