jusbrasil.com.br
7 de Agosto de 2022
  • 1º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

TJSP • Usucapião • Usucapião Especial (Constitucional) • XXXXX-91.2017.8.26.0224 • 9ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 5 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

9ª Vara Cível

Assuntos

Usucapião Especial (Constitucional)

Juiz

Ana Carolina Miranda de Oliveira

Partes

Requerente: Espólio de Janete Carvalhal, Requerente: Cordeiro, Registrado Civilmente Como Fátima Pessoa da Fonseca, Requerente: Romualdo Raimundo da Silva, Requerente: João Marcelo de Mattos Andrade, Requerente: Gisele Plates de Mattos Andrade, Requerente: Alessandra Peramos de Matos Andrade, Requerente: Clóvis Wilson de Mattos Andrade Junior, Requerido: Aldo Carvalhal, Confinante: Arpalice Minioli Purificação, Perito: Fernando Mendes de Faria (Perito), TerIntCer: Graziela Paula Carvalhal

Documentos anexos

Inteiro TeorManifestação do MP (pag 58 - 60).pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Autos nº. XXXXX-91.2017.8.26.0224- 9a Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP

Meritíssimo Juiz:

Cuidam os autos de ação de usucapião proposta por JANETE CARVALHAL, objetivando a declaração de domínio do imóvel localizado à Rua São José, nº 528, lote 35, quadra B, Jardim Eugênia, Vila Galvão, Guarulhos, SP.

De acordo com a documentação proveniente da Prefeitura de Guarulhos (fls.06-09), o imóvel usucapiendo está devidamente cadastrado para fins residenciais.

Além disso, consoante se infere do documento de fls. 24-25, o imóvel usucapiendo está devidamente matriculado sob o nº 13.733, junto ao 2º Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de Guarulhos/SP.

É o relatório.

À luz da Constituição Federal, a intervenção do Ministério Público, mesmo em ações de usucapião, subordina-se à presença de interesse público, social de relevância ou individual indisponível, consoante artigo 127 e seguintes.

Diante desse novo perfil delineado pelas normas constitucionais, a missão institucional do Parquet consiste em atuar nas causas em que haja interesses efetivamente públicos, coletivos ou interindividuais homogêneos, inclusive, em feitos extrajudiciais, como na condução de investigações e medidas que lhe incumbem contemporaneamente, desde que dentro das esferas supracitadas.

Ademais, a novel legislação processual civil, ao contrário do Código de Processo Civil de 1973 (em seu antigo artigo 944), não prevê a necessidade de intervenção do Ministério Público nas ações de usucapião, nem mesmo dentre as hipóteses do artigo 178. Neste ponto, vale destacar que a recente Recomendação nº

Autos nº. XXXXX-91.2017.8.26.0224- 9a Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP

34/2016 do Conselho Nacional do Ministério Público, ao dispor sobre a atuação do Parquet como interveniente no Processo Civil, não inclui as ações de usucapião entre os casos de relevância social que demandem, por si sós, a intervenção ministerial.

No caso em questão, os elementos considerados indicam que o lote em que se encontra o imóvel usucapiendo integra loteamento devidamente aprovado e registrado perante a Municipalidade e referido imóvel possui matrícula própria.

Deles também se verifica que não há notícia ou indícios, até o presente momento, de que a pretensão da autora recai sobre áreas públicas, em especial aquelas previstas no art. 22, da Lei nº 6.766/79, nas quais há inegável interesse público de índole difusa.

Neste contexto, não se vislumbra lesão ou risco de lesão a interesses metaindividuais ou a direitos individuais indisponíveis.

Por seu turno, necessário consignar que a divisão da propriedade e o desmembramento supostamente irregular do lote original no contexto da lide prescricional que se apresenta, por si só, não enseja a intervenção do Ministério Público.

Com efeito, o mesmo ocorre em ações de divisão e demarcação de terras particulares, ou até mesmo em ações possessórias, nas quais o Ministério Público não atua obrigatoriamente, a não ser que haja notícia sobre ofensas a interesses difusos, envolvendo meio ambiente, habitação e urbanismo, limitando-se estas ainda a casos de proporções que atinjam os fins sociais da propriedade e aspectos relacionados com a proteção ambiental, os quais, repita-se, não estão presentes no caso concreto.

Ademais, frisa-se que a ação de usucapião não envolve imediatamente retificação de registros públicos, restando o registro de eventual sentença de procedência como mera consequência em momento oportuno.

Autos nº. XXXXX-91.2017.8.26.0224- 9a Vara Cível da Comarca de Guarulhos/SP

Por fim, destaca-se que nos polos da ação não há menores nem incapazes.

Ausente, portanto, causa que justifique a atuação do Ministério Público no presente caso, à luz de suas atribuições constitucionais.

Ante o exposto, com fundamento no Ato Normativo nº 295 - PGJ/CGMP/CPJ, o Ministério Público deixa de se manifestar nos autos , dispensando-se novas vistas, salvo a superveniência de fato que justifique a intervenção do Parquet , tal como a eventual descoberta de que o imóvel estaria invadindo área pública ou a inclusão de incapaz nos polos da demanda.

Guarulhos, 25 de outubro de 2017.

MARINA FRANÇA FARIA PESTANA

Promotora de Justiça Substituta

GABRIELA PEREIRA ABOU REJAILI

Analista Jurídico do Ministério Público

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1368802199/usucapiao-10242319120178260224-sp/inteiro-teor-1368802209