jusbrasil.com.br
27 de Março de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação : APL 9194336072007826 SP 9194336-07.2007.8.26.0000 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 8 anos
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

APL_9194336072007826_SP_1307635218478.pdf
DOWNLOAD

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2011.0000073311

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9194336-07.2007.8.26.0000, da Comarca de Assis, em que é apelante MARIA

APARECIDA GUIRELI sendo apelados PREFEITURA MUNICIPAL DE

ASSIS e ASSIS TENIS CLUBE.

ACORDAM , em 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de

Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Deram provimento parcial

ao recurso, nos termos que constarão do acórdão. V. U.", de conformidade

com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores

RENATO NALINI (Presidente) e CASTILHO BARBOSA.

São Paulo, 7 de junho de 2011.

VICENTE DE ABREU AMADEI

RELATOR

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO 2

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

1ª Câmara de Direito Público

VOTO Nº 374

APELAÇÃO Nº 9194336-07.2007.8.26.0000

APELANTE: Maria Aparecida Guireli.

APELADOS: Prefeitura Municipal de Assis e outro.

APELAÇÃO Ação de Indenização

Afogamento de criança (12 anos), quando

brincava no lugar chamado “córrego do

buracão”, Município de Assis Área urbana,

pública municipal, anexa à sede de um clube, na

qual há uma galeria, cujas águas desembocam

num córrego Comodato desta área em favor

do Assis Tênis Clube, com obrigação de

construção de alambrado no perímetro

Obrigação descumprida, rompimento do

comodato antes do afogamento Construção

posterior do tal alambrado pelo Clube, por

liberalidade Ilegitimidade passiva do Clube

Responsabilidade exclusiva do Município, por

omissão de dever de fiscalização pública do

próprio ente municipal e de inibição de acesso a

local de perigo, sabidamente frequentado por

crianças Culpa exclusiva ou concorrente da

vítima inadmissível, ante a falta de pleno

discernimento da criança Culpa in vigilando

da mãe do menor, também inexistente

Indenização por danos materiais (na

modalidade de pensão de 2/3 do salário mínimo,

dos 14 aos 25 anos de idade, reduzida para 1/3,

daí até os 65 anos de idade que a vítima teria se

viva estivesse, salvo falecimento anterior da

autora, beneficiada) e morais (equivalentes a

100 salários mínimos atuais) devidos. Recurso

provido em parte.

1. Rompido o comodato, antes do infortúnio

verificado na área dada a este título, o

comodatário não tem legitimidade para figurar

no pólo passivo de ação indenizatória.

2. A falta de fiscalização do próprio ente

municipal e de inibição de acesso a local de

perigo - galeria de captação de águas, que

desemboca em córrego próximo -, sabidamente

frequentado por crianças, que lá iam,

PODER JUDICIÁRIO 3

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

1ª Câmara de Direito Público

rotineiramente, nadar, importa em

responsabilidade indenizatória da

Administração Pública Municipal, ante o

afogamento de criança no local, levada, pelas

águas, após uma 'tromba d'água'.

Trata-se de apelação interposta por Maria

Aparecida Guireli , em ação de indenização por danos morais

e patrimoniais decorrente do falecimento de seu filho, Lucas

Fernando Guireli Soares, por afogamento, no lugar chamado

“córrego do buracão”, que ajuizou em face da Fazenda Pública

do Município de Assis e Assis Tênis Clube , contra a r.

sentença (fls. 162/174), que julgou improcedente a demanda.

A apelante pretende o provimento do recurso (fls.

176/184) para a reforma da r. sentença, deduzindo, em

resumo, o argumento de erro no julgado, por fazer jus a

indenização, em razão da omissão na devida fiscalização e na

inibição de acesso à área, antes destinada ao lazer e depois

abandonada, que propiciou a entrada e, daí, a morte, por

afogamento do menor, seu filho, no local.

Recebido o recurso nos efeitos devolutivo e

suspensivo (fls. 185), foi contrariado (fls. 186/188 e 190/192) e os

autos subiram a este E. Tribunal de Justiça.

É o relatório, em acréscimo ao da r. decisão

recorrida.

Satisfeitos os pressupostos de admissibilidade do

recurso.

Há que se distinguir, no caso, a situação dos

PODER JUDICIÁRIO 4

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

1ª Câmara de Direito Público

apelados: a) o Município de Assis é o dono da área pública

onde os fatos ocorreram, a saber, uma galeria municipal,

cujas águas dão acesso a um córrego existente nas

proximidades; b) o Assis Tênis Clube era comodatário do

Município, nesta área, anexa a sua sede, para a qual assumiu

a obrigação de fechá-la em seu perímetro, com alambrado (cf.

Termo de Cessão em Comodato, cláusula III: fls. 31), mas, por não

cumprir a obrigação, o comodato foi extinto, com reintegração

da municipalidade na posse do imóvel em data (13/11/2001, fls.

66) anterior a dos fatos (25/01/2005; fls. 46).

Ora, se o comodato estava extinto, para a área onde

os fatos ocorreram, então, a comodatária deixou de ter

responsabilidade sobre a coisa e, por isso, é parte ilegítima

para figurar no pólo passivo da ação indenizatória.

A construção, posterior aos fatos, de alambrado no

local, em atenção a pedido do Presidente da Edilidade, por

“gentileza” (fls. 67), não tem a força de revigorar obrigação

contratual extinta nem justifica a presença do Assis Tênis

Clube no pólo passivo.

Excluído, pois, o Assis Tênis Clube da lide, o feito

prossegue apenas contra a Fazenda Pública do Município de

Assis , esta sim, a real responsável pelo domínio público da

área onde os fatos ocorreram.

E, em relação à Municipalidade, respeitado o

entendimento diverso da magistrada de primeiro grau, o caso

era para procedência parcial da demanda.

Com efeito, estamos diante de área urbana, pública

PODER JUDICIÁRIO 5

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

1ª Câmara de Direito Público

municipal, ao lado de um clube (área de lazer), na qual a

municipalidade construiu uma galeria para captação de

águas, com acesso das águas a um córrego existente nas

proximidades.

Nesse local, sem proteção necessária, sem

fiscalização da municipalidade e, ainda, com livre acesso, ao

tempo dos fatos, crianças costumavam ir brincar e nadar: é o

que se infere das diversas reportagens jornalísticas constantes

nos autos e do testemunho de Didina Maria C. Foganhol (fls.

134), que descreveu o local como “um laguinho”, que recebe

águas de outros lugares, no qual as crianças brincavam, até

que, em razão de uma “tromba d'água”, a vítima foi levada,

destacando-se que “outras crianças brincavam rotineiramente

no local” (fls. 134).

É fato que esse local não é de lazer público oficial. É

fato, ainda, que a vítima foi para lá, por conta própria,

colocando-se em situação de risco, ao nadar em local

impróprio para esse fim, especialmente em tempo de chuvas

fortes (os fatos ocorreram no verão, mês de janeiro).

No entanto, isso poderia apontar apenas para culpa

concorrente - não exclusiva da vítima -, que não eliminaria a

culpa, por negligência, da municipalidade, em deixar o

referido local praticamente abandonado, com fácil acesso de

crianças, que, impropriamente, lá brincavam e nadavam, em

manifesta situação de perigo.

Todavia, porque a vítima era criança, 12 anos de

idade, sem plena consciência dos riscos, sequer culpa

PODER JUDICIÁRIO 6

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

1ª Câmara de Direito Público

concorrente é possível afirmar. E, também, não há que se falar

em culpa in vigilando de sua mãe, que jamais poderia prever o

ocorrido nem impedir o filho (já não tão pequeno) de brincar com

amigos fora de casa, sem saber que ele poderia ir nadar no

local dos fatos:

“(...) Inexistência de culpa exclusiva ou concorrente Vítima que,

por ter apenas 13 anos de idade, não possuía discernimento o

bastante para perceber os riscos que sua conduta poderia

causar - Também ausente a culpa in vigilando dos autores, pais

do menor (...)” (Ap. nº 9206615-64.2003.8.26.0000, rel. Des.

Osvaldo de Oliveira , j. 27/04/2011).

Ademais, a Municipalidade não pode alegar

ignorância, pois, antes dos fatos, por ocasião do comodato ao

Assis Tênis Clube, já estava tão preocupada em cercar o local,

inibindo e controlando o acesso ...