jusbrasil.com.br
28 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 11 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
14ª Câmara de Direito Público
Publicação
02/09/2011
Julgamento
25 de Agosto de 2011
Relator
João Alberto Pezarini
Documentos anexos
Inteiro TeorREEX_9112187902003826_SP_1315146105977.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA

486 ln TrMn/M> i PÍ-1 | SO D M B N O º

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de

Apelação / Reexame Necessário nº 911218790.2003.8.26.0000, da Comarca de Campinas, em que é

recorrente JUÍZO DE OFÍCIO, Apelantes PREFEITURA

MUNICIPAL DE CAMPINAS e CONSTRUTORA LIX DA CUNHA S/A

sendo apelado OS MESMOS.

ACORDAM, em 14 Câmara de Direito Público do

Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte

decisão: "DERAM PROVIMENTO AO RECURSO DA IMPETRANTE E

NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO DA PREFEITURA. V. U.",

de conformidade com o voto do (a) Relator (a), que

integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos

Desembargadores JOÃO ALBERTO PEZARINI (Presidente),

RODRIGO ENOUT E JARBAS GOMES.

São Paulo, 25 de agosto de 2011.

JOÃO ALBERTO PEZARINI

PRESIDENTE E RELATOR

AU

PODERJ UDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Voto nº 7452

Apelação nº 9112187-90.2003.8.26.0000

Apelantes: Prefeitura Municipal de Campinas e Construtora Lix da Cunha

Apelados: os mesmos

Comarca: Campinas

APELAÇÃO - Mandado de Segurança - ISS -Engenharia - Construção Civil - Preço do Serviço - Sentença parcialmente procedente.

RECURSO FAZENDÁRIO - Dedução de materiais e subempreitada, da base de cálculo. Possibilidade. Inteligência do art. 9 , § 2 , a e b do Decreto-lei nº 406/68. Recurso desprovido.

RECURSO DA IMPETRANTE - Integração do valor do imposto na base de cálculo. Impossibilidade. Hipótese de "cálculo por dentro" não previsto pela legislação federal. Apelo provido.

Cuida-se de apelações em face de sentença (fls. 155/ 160) que concedeu parcialmente a segurança, reconhecendo legítima a dedução do valor correspondente aos materiais fornecidos pelo impetrante da base de cálculo do ISS, que tenha por fato gerador a prestação de serviços de construção civil, por administração ou empreitada, mantendo, contudo, a fórmula adotada na apuração do tributo.

A Municipalidade sustenta carência de ação, vez que não comprovada violação a direito líquido e certo. No mérito, insurge-se contra a aplicação do Decreto-lei 406/68, a respeito dos benefícios e redução de base de cálculo do ISS. Defende a constitucionalidade e aplicação integral da Lei Municipal nº 11.110/01.

O impetrante, por sua vez, alega descabida a fórmula de cálculo do ISS, utilizando-se do chamado "cálculo por dentro" - em que o valor do ISS integra a base do próprio imposto - violador de princípios tributários.

PODERJUDICI ARIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Recebidos e processados (fl. 209), houve contrarrazões (fls. 214/248; 250/264), bem como parecer ministerial (fls. 270/275).

A hipótese comporta reexame necessário.

É o relatório.

Foram devolvidas, a esta instância, as seguintes questões: (i) existência do direito líquido e certo; (ii) possibilidade de dedução da base de cálculo do ISS pela subtração do valor dos materiais fornecidos; (iii) inconstitucionalidade e aplicabilidade da fórmula de cálculo do ISS, conforme previsão da Lei Municipal nº 11.110/01 de Campinas.

Primeiramente, cumpre ressaltar que a impetração de mandado de segurança tem por requisito a demonstração, de plano, do direito a ser defendido.

No caso, porém, a verificação do direito cuja proteção se pleiteia é inerente à análise da apuração da base de cálculo do ISS sobre os serviços de engenharia. Isto porque a questão envolve apenas a aferição da legalidade da dedução dos valores correspondentes às subempreitadas e aos materiais fornecidos pelo prestador.

Tecidas tais considerações, observa-se infundada a insurgência

fazendária contra a aplicação do artigo 9 , § 2 o do Decreto-Lei 406/68 1 ,

recepcionado pela ordem constitucional vigente, com força de lei complementar, assim como não se aparenta razoável a interpretação no sentido de que somente lei municipal específica poderia autorizar a dedução de valores da base de cálculo do ISSQN.

Sobre a vigência e aplicabilidade do artigo 9 , § 2 do decreto-lei 406/68, manifestou-se o Supremo Tribunal Federal:

Art 9 A base de cálculo do imposto é o preço do serviço. (...)

§ 2 Na prestação dos serviços a que se referem os itens 19 e 20 da lista anexa o imposto será calculado sobre o preço deduzido das parcelas correspondentes:

a) ao valor dos materiais fornecidos pelo prestador dos serviços;

b) ao valor das subempreitadas já tributadas pelo imposto.

PODER JU DICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO

EXTRAORDINÁRIO. ISS. ARTIGO 9 , § 2 , DO DECRETO-LEI N. 406/68. CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. O preceito veiculado pelo § 2 do artigo 9 do Decreto-lei n. 406/68 não define isenção tributária, dizendo respeito exclusivamente à base de cálculo do ISS na hipótese de atividades de construção civil. Preceito recebido pela Constituição do Brasil. Precedentes. Agravo Regimental a que se nega provimento.

( RE 239360 AgR/MG - Rei. Min. Eros Grau - Julg.: 17/06/2008 - 2 Turma - DJe-142; ement vol-02326-05 PP-01031)

TRIBUTÁRIO. IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS - ISS. EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. DEDUÇÃO DO VALOR DE SUBEMPREITADAS TRIBUTADAS. ART. 9º § 2 , ALÍNEA B, DO DECRETO-LEI N. 406/68. 1. O Decreto-Lei n. 406/68 foi recepcionado como lei complementar pela Constituição da Republica. Precedentes: Recursos Extraordinários ns. 236.604 e 220.323. 2. O disposto no art. 9 , § 2 , alínea b, do Decreto-Lei n. 406/68 não contraria a Constituição da Republica. 3. Recurso extraordinário não conhecido.

( RE 262598/PR - Rei. Min. limar Galvão - Rei. p/ Acórdão Min. Cármen Lúcia - Julg.: 14/08/2007 - 1 Turma - DJe-112; DJ 2809-2007 PP-00030 ement vol-02291-04 PP-0064; RB v. 19, n.

528, 2007, p. 38-40)

Como esclarece o Ministro limar Galvão, no voto do julgado acima transcrito:

"o decreto-Lei nº 406/68, no entendimento da jurisprudência pacífica do STF ( RE nº 236.604, Rei. Min. Carlos Velloso), foi

PODERJUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

recebido pela Constituição Federal de 1988 como lei

complementar sobre a matéria, tendo-se limitado, no caso, a definir a base de cálculo do ISS nas hipóteses de incidência descritas nos parágrafos e incisos do seu art. 9 , entre as quais a que se acha sob enfoque nestes autos. Na verdade, outra coisa não fez o legislados, aí, senão prevenir tributações superpostas, como aquela que viesse a incidir por inteiro sobre operações já parcialmente tributadas".

Ultrapassada, portanto, a alegação de carência de ação, bem como constatada a legalidade da subtração dos valores de materiais fornecidos e de subempreitadas, da base de cálculo do ISS, relativamente aos serviços descritos nos itens 7.02 e 7.05 da lista anexa à lei complementar 116/03 2 .

Por fim, deve ser afastada a aplicação do "cálculo por dentro 1" do ISS, estabelecido na Lei Municipal nº 11.110/01, que dispõe:

"Art. 24 O montante do imposto integra sua própria base de cálculo, constituindo-se eventuais destaques mera indicação para controle".

Ora, sustentando a aplicação do dispositivo supra, alega a Municipalidade (fls. 221) que o objeto do ISS seria a "circulação econômica (venda) de bens imateriais (serviços)", gravando-se, por isto, a transferência de bem imaterial a título oneroso.

2

7.02 - Execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil, hidráulica ou elétrica e de outras obras semelhantes, inclusive sondagem, perfuração de poços, escavação, drenagem e irrigação, terraplanagem, pavimentação, concretagem e a instalação e montagem de produtos, peças e equipamentos (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador de serviços fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS).

7.05 - Reparação, conservação e reforma de edifícios, estradas, pontes, portos e congêneres (exceto o fornecimento de mercadorias produzidas pelo prestador dos serviços, fora do local da prestação dos serviços, que fica sujeito ao ICMS).

PODERJUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Todavia, ao contrário do sistema reservado ao ICMS, inexiste previsão no Decreto-lei nº 406/68 determinando a integração na base de cálculo do ISS do valor correspondente ao preço do serviço, o que implica dizer que o legislador municipal extrapolou o aspecto material desse imposto ao alargar indevidamente sua base de cálculo.

Assim, descabida a apuração do ISS mediante aplicação do denominado "cálculo por dentro".

Posto isso, dá-se provimento ao recurso da impetrante para afastar a aplicação do artigo 24, a Lei Municipal nº 11.110/01, e nega-se provimento ao fazendário.

zarini

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/20324401/apelacao-reexame-necessario-reex-9112187902003826-sp-9112187-9020038260000/inteiro-teor-104908111

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 3ª Região
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal Regional Federal da 3ª Região TRF-3 - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AI 0019373-70.2015.4.03.0000 SP

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação / Reexame Necessário: REEX 9112187-90.2003.8.26.0000 SP 9112187-90.2003.8.26.0000

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Apelação: APL 0001568-33.2016.8.16.0046 Arapoti 0001568-33.2016.8.16.0046 (Acórdão)

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 2 meses

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1020878-95.2021.8.26.0032 SP 1020878-95.2021.8.26.0032

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 2 meses

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1065141-52.2021.8.26.0053 SP 1065141-52.2021.8.26.0053