jusbrasil.com.br
28 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 6 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
7ª Câmara de Direito Público
Publicação
26/07/2016
Julgamento
25 de Julho de 2016
Relator
Coimbra Schmidt
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SP_APL_10110883420158260053_5a13b.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2016.0000508431

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1011088-34.2015.8.26.0053, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AMERICA SOFT INFORMATICA LTDA, é apelado FAZENDA PÚBLICA ESTADUAL - SECRETARIA DA FAZENDA.

ACORDAM , em 7ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Deram provimento ao recurso. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores COIMBRA SCHMIDT (Presidente), MAGALHÃES COELHO E EDUARDO GOUVÊA.

São Paulo, 25 de julho de 2016

Coimbra Schmidt

RELATOR

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Voto nº 32.674

APELAÇÃO nº 1011088-34.2015.8.26.0053 SÃO PAULO

Apelante : AMERICA SOFT INFORMÁTICA LTDA.

Apelada : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

MM. Juiz de Direito : Dr. Kenichi Koyama

TRIBUTÁRIO. 1. Quem aliena veículo automotor sem comunicar o ato à repartição encarregada do registro e licenciamento responde pela obrigação tributária do adquirente omisso, como devedor solidário. Incidência dos arts. 4º, III, da LE nº 6.606/89; 6º, II, e § 2º, da LE nº 13.296/08 e 124, II, do CTN. 2. Limitação da responsabilidade do alienante, no caso, até a comunicação da transferência do veículo com alienação fiduciária efetuada pela instituição financeira ao DETRAN, suficiente para eximir a responsabilidade da antiga proprietária. 3. DANO MORAL. Inscrição irregular do nome da autora em cadastros de inadimplentes e protesto indevido de título. Dano moral caracterizado. Caso em que o dano emerge in re ipsa, ainda que a prejudicada seja pessoa jurídica, presumindo-se a lesão pelo simples fato da violação, independente de prova de prejuízo. 4. Sentença reformada. Recurso provido.

Cuida-se de Procedimento Ordinário movido

por America Soft Informatica Ltda em face de Fazenda Pública Estadual - Secretaria

da Fazenda no qual se pretende, liminarmente, sejam suspensas qualquer medida

satisfativa do crédito da ré e a inscrição do nome da requerente junto ao SERASA.

No mérito, requer a declaração de inexistência da relação jurídico tributária entre a

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

autora e a requerida, com o consequente impedimento desta em efetuar cobrança dos débitos referentes ao veículo GM/MONZA GLS, placa KIN0308 e, por fim, pleiteia indenização por danos morais. Aduz que em fevereiro de 2006 alienou o referido automóvel para Armando Roberto Ribeiro, tendo seguido as providências necessárias para a transferência do veículo, e que Armando, por sua vez, alienou o mencionado para Herbert Richard Modesto Bratfisch por meio de financiamento junto ao antigo BANESPA. Deste modo, afirma que desde então não possui responsabilidade sobre o veículo. Ocorre que acabou surpreendida por notificação de sua Instituição Financeira, que lhe informou que suas linhas de crédito foram canceladas por ter sido o nome da autora inscrito no SERASA por dois protestos estaduais, referentes aos exercícios de 2011/2012. Além disso, indica que teve o nome inscrito em dívida ativa no CADIN estadual, por débitos de IPVA do citado automóvel, relativos aos anos de 2008 até 2013. Alega que mesmo o DETRAN/SP possuindo todas as informações sobre a alienação, dados do comprador e data da venda, não consta em cadastro o verdadeiro proprietário do veículo, permanecendo este como se fosse da autora. Diante disso, alega que as indevidas inscrições junto ao CADIN e ao SERASA Foi indeferida a liminar (fls. 85/89).

...

Fazenda Pública Estadual - Secretaria da

Fazenda contestou o feito. Pontuou que o Código de Trânsito Brasileiro determina que as transferências de veículos automotores devem ser registradas no DETRAN, sendo obrigatório o registro da transferência. Além disso, de acordo com o art. 6º, II, da Lei Estadual nº 6.606/89, é responsável solidariamente pelo pagamento do IPVA o proprietário de veículo que o alienar e não fizer a comunicação ao órgão público competente. Deste modo, frisou que a autora não cumpriu com obrigação determinada em lei. Afirmou também que as convenções particulares relativas à responsabilidade sobre o pagamento de tributos não podem ser opostas à Fazenda Pública, por força do art. 123 do CTN. Assim, tendo ocorrido o fato gerador no dia

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

1º de cada exercício, tal qual disposto na Lei Estadual nº 13.296/2008, art. 3º, a autora seria, ao menos, responsável solidária pelos débitos de IPVA. Apontou ainda jurisprudência favorável à ré. Ademais, afirmou ser completamente indevido o pedido de indenização por danos morais, haja vista que não teria sido demonstrado nexo causal entre a conduta da Administração e o dano suportado, não havendo que se falar ainda de suposta aplicação da teoria do risco administrativo (fls. 169/188).

Julgou-a improcedente a sentença, de

cujo relatório extraí o fragmento acima transcrito (fs. 263/7).

Apela a autora insistindo no acolhimento

da pretensão. Aduz, em síntese, que vendeu o veículo Monza, Placa KIN 0308, a Armando Roberto Ribeiro em fevereiro de 2006 que, por sua vez, o alienou a Herbert Richard Modesto Bratfisch em 18.3.2006, através de financiamento bancário junto ao Banco Banespa, comprovado que na mesma data a instituição financeira efetuou a anotação da alienação fiduciária junto ao DETRAN. Diz que tal fato permite a identificação do comprador e deixa certa a venda do veículo, restando cumprido, desse modo, o dever de comunicação imposto pelo art. 134 do CTB e, consequentemente, fazendo cessar sua responsabilidade por débitos incidentes sobre o bem a partir de então. A par disso, assevera que constam no cadastro do veículo no Detran bloqueio por queixa de roubo/recuperado e ação de busca e apreensão movida pelo Banco Santander, que reforçam a cientificação da apelada sobre a transferência de propriedade do veículo. Finaliza, dizendo que sofreu prejuízo em decorrência da inscrição de seu nome nos órgãos de proteção ao crédito, fazendo jus, portanto, a indenização por danos morais (fs. 270/88).

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Contrarrazões a fs. 295/305.

É o relatório.

1. O art. 4º, III, da Lei Estadual nº

6.606/89 atribui a condição de sujeito passivo da obrigação tributária, por solidariedade, ao proprietário de veículo de qualquer espécie, que o alienar e não comunicar a ocorrência ao órgão público encarregado do registro e licenciamento, inscrição ou matrícula. 1

A Lei Estadual nº 13.296, de 23 de

dezembro de 2008, que revogou a lei supracitada, contém em seu art. 6º, II e § 2º, redação semelhante, também atribuindo a condição de sujeito passivo da obrigação tributária, por solidariedade, ao proprietário de veículo automotor que o alienar e não fornecer os dados necessários à alteração no Cadastro de Contribuintes do IPVA no prazo de 30 (trinta) dias, em relação aos fatos geradores ocorridos entre o momento da alienação e o do conhecimento desta pela autoridade responsável.

A norma atende a regra geral do art. 124,

II, do Código Tributário Nacional 2 . Não se liga a atribuição de responsabilidade tributária de terceiros; tratada nos arts. 128 e seguintes do diploma. É caso de pura e simples sujeição à obrigação tributária em situação idêntica à do devedor principal, por falta de cumprimento de obrigação acessória.

1 Redação dada pelo inciso II do art. da Lei nº 9.459, de 16/12/1996.

2 São solidariamente obrigadas (II) as pessoas expressamente designadas por lei.

Apelação nº 1011088-34.2015.8.26.0053 5

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A lei local, como se vê, não ofende

norma maior. Assim, antes da comunicação da venda ao órgão do trânsito, não há como infirmar o lançamento do tributo em nome do proprietário do veículo.

No caso, embora não comunicada

formalmente a alienação do bem, nota-se, no entanto, que a apelante carreou aos autos documentos que comprovam que o veículo sobre o qual incidem os débitos questionados foi alienado a Herbert Richard Modesto Bratfisch, através de financiamento bancário junto ao Banco do Estado de São Paulo, e que a instituição financeira, em 18.3.2006, efetuou a anotação da alienação fiduciária junto ao DETRAN (fs. 45 e 100). Outrossim, os documentos de fs. 102/6 demonstram que, posteriormente, o banco credor ajuizou ação de busca e apreensão contra o devedor, onde foi determinada e cumprida pelo Detran a ordem de bloqueio de transferência do veículo, em 16 de junho de 2008 (fs. 102/6). Inquestionável, portanto, a ciência, pelo órgão de trânsito, da transferência da propriedade do veículo.

Ademais, através da Portaria Detran nº

1.070, de 2 de agosto de 2001, foi “implantado, no âmbito do Estado de São Paulo, o Sistema Eletrônico de Controle de Inserção e Baixa de Gravames, doravante denominado “Sistema Nacional de Gravames

SNG”, consoante as disposições estabelecidas na Resolução CONTRAN n. 124, de 14 de fevereiro de 2001” (art. 1º).

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Tal sistema “compreende o

gerenciamento eletrônico dos dados técnicos informativos das instituições financeiras, em consonância com o banco de dados do DETRAN/SP, com transmissão e consultas on line” (art. 1º, § 2º).

Verifica-se, assim, que sua finalidade é

facilitar o fluxo de informações entre instituições financeiras e o órgão executivo estadual de trânsito, garantindo que este tenha acesso à situação dominial de veículos financiados.

Logo, havendo comunicação do gravame

junto ao Sistema Nacional de Gravames - SNG, ao qual o DETRAN tem acesso on line, considera-se comunicada a transferência definitiva da propriedade do veículo ao adquirente, conforme determinado pelo art. 134 do Código de Trânsito Brasileiro e 34 da Lei nº 13.296/08.

Desse modo, a partir da referida data

(18.3.2006), não há que se falar em responsabilidade da apelante pelos débitos irradiados do veículo.

Nesse sentido, em caso semelhante, já

decidiu esta Câmara que a instituição financeira informou o gravame aos órgãos públicos, passando a constar do prontuário do veículo a restrição financeira, com data de contrato de 09/05/2008 e como financiado “Roberto Farinas Rodrigues” (fls. 50).

Assim, embora o autor ainda estivesse

cadastrado como proprietário, a comprovação da tradição, bem como o

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

conhecimento desta pela autoridade responsável (conforme parte final do artigo 6º,

inciso II, da Lei Estadual nº 13.296/2008), bastam para afastar a sua responsabilidade

do pagamento do tributo incidente sobre a propriedade, para os fatos geradores que

ocorreram após a transação. 3

Outrossim, essa orientação vem sendo

adotada em outros julgado desta Casa:

RECURSOS OFICIAL E DE APELAÇÃO AÇÃO DE

PROCEDIMENTO ORDINÁRIO - IPVA - VEÍCULO

AUTOMOTOR PRETENSÃO À INEXIGIBILIDADE DE DÉBITOS E RECEBIMENTO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS - POSSIBILIDADE PARCIAL. 1 . O adquirente e o alienante de veículo automotor são responsáveis solidários, pelo pagamento do IPVA, até a comunicação da alienação perante o Órgão de Trânsito competente. 2 . No caso dos autos, há comprovação da comunicação da transferência de propriedade, mediante a inclusão da intenção de gravame, pelo Banco Bradesco S.A., no Sistema Nacional de Gravames, em nome de terceiro. 3 . Aplicação da Portaria nª 1.070/01 do DETRAN. 4 . Os elementos de convicção produzidos nos autos demonstram que a parte autora não é responsável tributária pelo lançamento tributário ora questionado. 5 . Ação de procedimento ordinário, julgada parcialmente procedente. 6 . Sentença, ratificada. 7 . Recursos oficial e de apelação, apresentado pela parte ré, desprovidos. 4

APELAÇÃO - Ação declaratória de inexigibilidade de crédito tributário cumulada com indenização por danos morais IPVA, exercícios de 2008 a 2010. Veículo transferido a terceiro. Falta de comunicação da alienação ao órgão de trânsito. Inscrição, contudo, de gravame (bloqueio judicial e busca e apreensão), desde 2007 e 2008, no cadastro oficial do DETRAN. Prova suficiente da ciência, pelo Fisco, de que o bem não pertencia à autora - Débito relativo ao IPVA, inscrito em dívida ativa e no CADIN, que enseja a reparação por danos morais Sentença

3 Apelação nº 0012476-82.2013.8.26.0562, Des. Moacir Peres, j. 2.3.15

4 Apelação nº 1002166-90.2015.8.26.0477, Des. Francisco Bianco, j. 27.6.16.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

reformada - RECURSO PROVIDO. 5

Apelação cível. IPVA referente aos exercícios de 2009 e seguintes. Tributo incidente sobre veículo alienado em 2007. Anotação de intenção de gravame, com indicação do nome do financiado e do respectivo número de inscrição no CPF/MF. Responsabilidade solidária do antigo proprietário que não subsiste quanto aos débitos posteriores à ciência da transferência. Cancelamento dos protestos. Recurso provido. 6

2. A pessoa jurídica não pode ser ofendida

subjetivamente. O chamado dano moral que se lhe pode afligir é a repercussão negativa sobre sua imagem. Em resumo: é o abalo de seu bom-nome 7 .

A pessoa jurídica, criação da ordem legal, não

tem capacidade de sentir emoção e dor, estando por isso desprovida de honra subjetiva e imune à injúria. Pode padecer, porém, de ataque à honra objetiva, pois goza de uma reputação junto a terceiros, passível de ficar abalada por atos que afetam o seu bom nome no mundo civil ou comercial onde atua 8 .

Sofrimento íntimo é o que se

convencionou chamar dor da alma. A pessoa jurídica não tem íntimo. Não possui honra subjetiva. É esta a razão, simples, pela qual somente a ofensa à imagem (honra objetiva) é passível de indenização. E foi nesse sentido que o STJ uniformizou o entendimento relativo à matéria, cristalizado na Súmula nº 227 9 , consoante indicam os paradigmas considerados: recursos especiais nº s 129.428 / RJ (acima citado), 134.993 5 Apelação nº 0046503-05.2012.8.26.0602, Des. Vicente de Abreu Amadei, j. 21.6.16.

6 Apelação nº 1000769-78.2015.8.26.0482, Des. Luciana Bresciani, j. 17.6.16.

7 REsp nº 752.672 / RS, Min. Humberto Gomes de Barros

8 Apud REsp nº 129.428 / RJ. Min. Ruy Rosado de Aguiar.

9 “A pessoa jurídica pode sofrer dano moral”.

Apelação nº 1011088-34.2015.8.26.0053 9

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

/ MA, 161.739 / PB, 161.913 / MG e 177.995 / SP.

E nos casos de protesto indevido de

título ou inscrição irregular em cadastros de inadimplentes, como é o da hipótese dos autos, a jurisprudência do STJ firmou entendimento de que, o dano moral se configura in re ipsa, isto é, prescinde de prova, ainda que a prejudicada seja pessoa jurídica ( REsp 1.059.663/MS, Rel. Min. Nancy Andrighi, DJe de 17/12/2008). 10

É o suficiente para estabelecimento do

liame de causalidade autorizante, no caso, da concessão da reparação do dano moral, pois a apelante teve sua imagem maculada, em decorrência de ato indevido praticado pela apelada.

Deve-se ter em mente não ser a

indenização pelo dano moral instrumento de enriquecimento indevido. Assim, consideradas as circunstâncias do caso, fixo a indenização pelo dano moral no montante de R$ 5.000,00. É consentânea frente à situação e atende sua dupla função, terapêutico-compensatória.

3. Posto isso, dou provimento ao recurso.

Julgo procedente a ação para declarar a inexigibilidade dos débitos de IPVA incidentes sobre o veículo mencionado na inicial a partir de 18 de fevereiro de 2006, em relação à autora, cancelando as respectivas CDAs, protestos e inscrição no CADIN que houver em seu nome, bem como para condenar a ré no pagamento de indenização por danos morais, que 10 AgRg no AREsp 718767 / RJ, Min. Marco Aurélio Bellizze, j.16.2.16.

Apelação nº 1011088-34.2015.8.26.0053 10

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

fixo em R$ 5.000,00 (cinco mil reais), invertidos os ônus da sucumbência.

Os recursos que deste se originarem

estarão sujeitos a julgamento virtual, a não ser que se manifeste impugnação à forma, nos respectivos prazos de interposição.

COIMBRA SCHMIDT

Relator

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/366684367/apelacao-apl-10110883420158260053-sp-1011088-3420158260053/inteiro-teor-366684393

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 15 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 752672 RS 2005/0083652-0

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação: APL 1000769-78.2015.8.26.0482 SP 1000769-78.2015.8.26.0482

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 13 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1059663 MS 2008/0112156-1

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 24 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 129428 RJ 1997/0028981-8

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 6 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgRg no AREsp 718767 RJ 2015/0122898-4