jusbrasil.com.br
27 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 6 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
17ª Câmara de Direito Privado
Publicação
09/09/2016
Julgamento
8 de Setembro de 2016
Relator
Afonso Bráz
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SP_APL_00660256920128260100_db6ac.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2016.0000643726

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0066025-69.2012.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante CONDOMÍNIO RESIDENCIAL LIMEIRA, é apelado PAULO TOMAZ MOREIRA.

ACORDAM , em sessão permanente e virtual da 17ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: Deram provimento ao recurso. Por maioria de votos, estendido o julgamento na forma do art. 942 do CPC, vencidos o relator sorteado que declara voto e o 3º Desembargador. Acórdão com o 2º. desembargador., de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores AFONSO BRÁZ, vencedor, CLAUDIA SARMENTO MONTELEONE, vencida, PAULO PASTORE FILHO (Presidente), JOÃO BATISTA VILHENA E SOUZA LOPES.

São Paulo, 5 de setembro de 2016.

AFONSO BRAZ

RELATOR DESIGNADO

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

VOTO Nº 21176

APELAÇÃO Nº 0066025-69.2012.8.26.0100

APELANTE: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL LIMEIRA

APELADO: PAULO TOMAZ MOREIRA

COMARCA: SÃO PAULO

JUÍZA: FERNANDA GOMES CAMACHO

APELAÇÃO. INÉPCIA DA RECONVENÇÃO. Inocorrência. Reconvenção que apresenta os requisitos necessários a seu processamento. Especificação do valor pleiteado e apresentação de planilhas de cálculo. Possibilidade de o autor-reconvindo exercer sua defesa de forma plena. Sentença anulada. RECURSO PROVIDO.

A r. sentença de fls. 340/342, de relatório adotado, julgou procedente a ação anulatória de título para declarar a nulidade da duplicata indicada na inicial, condenando o réu a arcar com as custas e despesas do processo, bem como com os honorários advocatícios, fixados em 10% sobre o valor da causa. A reconvenção foi julgada extinta sem resolução do mérito, com base no artigo 267, I, do CPC de 1973.

Apela o réu-reconvinte às fls. 344/356, onde alega que a reconvenção não é inepta, eis que foram indicados claramente os valores devidos, bem como juntados os documentos necessários à comprovação de seu direito. Pretende a anulação da r. sentença. Sustenta ser devida a condenação do apelado ao pagamento das despesas condominiais inadimplidas. Alega a inadequação da via eleita pelo autor para a declaração de nulidade da duplicata.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

contrarrazões (certidão de fl. 361).

É o relatório.

O recurso deve ser provido.

Respeitado o entendimento da D. magistrada sentenciante, a reconvenção não é inepta em virtude da ausência de pedido certo e determinado.

Ao contrário do afirmado na r. sentença digladiada, há especificação do valor das despesas pretendidas, conforme se verifica das planilhas juntadas às fls. 138/145, tendo o réu-reconvinte realizado pedido para “... condenar o reconvindo ao pagamento das despesas condominiais e taxas bancárias, desde abril de 2004...” (fl. 56).

A reconvenção apresenta todos os requisitos exigidos para a apreciação do pleito, tanto assim que houve resposta a ela, exercendo o autorreconvindo sua defesa de forma plena (fls. 321/324), tendo em virtude disso, o réureconvinte postulado a produção de meios de prova cuja realização não foi efetivada.

Se o julgador não consegue entender os cálculos apresentados, deve solicitar a parte o esclarecimento devido ou socorrer-se dos auxiliares do juízo (contadoria e/ou peritos) para tanto. O que não lhe é licito é considerar inepto o pedido por não conseguir visualizar o valor total do eventual débito, quando há nos autos elementos suficientes para estabelecê-lo.

Considerando precedentes dos Tribunais Superiores, que vêm registrando a necessidade do prequestionamento explícito dos dispositivos legais ou constitucionais supostamente violados e, a fim de evitar eventuais embargos de declaração, apenas para tal finalidade, por falta de sua expressa remissão na decisão vergastada, mesmo quando os tenha examinado implicitamente, dou por

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

prequestionados os dispositivos legais e/ou constitucionais apontados pela parte.

Por isso, DOU PROVIMENTO ao recurso para anular a r. sentença,

devendo o juízo de primeiro grau proceder à instrução do feito.

AFONSO BRÁZ

Relator Designado

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Voto nº 3427

Apelação nº 0066025-69.2012.8.26.0100

Comarca: São Paulo

Apelante: Condomínio Residencial Limeira

Apelado: Paulo Tomaz Moreira

DECLARAÇÃO DE VOTO

Respeitosamente, ouso divergir do ilustre entendimento da Douta Maioria, para negar provimento ao recurso.

O recurso interposto não merece acolhida.

A inépcia reconhecida em relação à reconvenção ofertada pelo apelante decorre da ausência de pedido certo e determinado.

Embora o apelante tenha juntado aos autos os documentos descritos na apelação, a peça de reconvenção não contém pedido certo e determinado, o que não se pode admitir em ação com natureza de cobrança de despesas condominiais.

Assim, restou configurada a inépcia da reconvenção, nos termo do artigo 295, parágrafo único, I, do Código de Processo Civil/1973, aplicável à época.

Quanto à ação principal, nada há para ser reparado na sentença recorrida, considerando que o título encaminhado a protesto é uma duplicata mercantil, titulo causal cujo saque só é permitido quando ocorrida compra e venda de mercadoria, fato inexistente entre as partes.

Logo, a via processual eleita pelo apelado foi adequado à sua pretensão, qual seja, a anulação de título.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROVIMENTO ao recurso interposto para manter a sentença apelada.

CLAUDIA SARMENTO MONTELEONE

Relatora

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Este documento é cópia do original que recebeu as seguintes assinaturas digitais:

Pg. inicial Pg. final Categoria Nome do assinante Confirmação

1 4 Acórdãos AFONSO CELSO NOGUEIRA BRAZ 41ED189

Eletrônicos

5 6 Declarações de CLAUDIA SARMENTO MONTELEONE 3A23E80

Votos

Para conferir o original acesse o site:

https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do, informando o processo

0066025-69.2012.8.26.0100 e o código de confirmação da tabela acima.

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/382679173/apelacao-apl-660256920128260100-sp-0066025-6920128260100/inteiro-teor-382679189

Informações relacionadas

Andrea Vieira, Advogado
Artigoshá 2 anos

Contestação: matérias de defesa

Armando Campos, Bacharel em Direito
Artigosano passado

Reconvenção e revelia

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 9 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 5004726-56.2017.8.13.0079 MG

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1004032-32.2017.8.26.0100 SP 1004032-32.2017.8.26.0100

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 7 meses

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 0000869-85.2020.8.26.0543 SP 0000869-85.2020.8.26.0543