jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP: 000XXXX-05.2014.8.26.0515 SP 000XXXX-05.2014.8.26.0515 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

14ª Câmara de Direito Criminal

Publicação

10/04/2018

Julgamento

5 de Abril de 2018

Relator

Miguel Marques e Silva

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-SP__00019670520148260515_d8eb4.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2018.0000247566

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos do Recurso Em Sentido Estrito nº 0001967-05.2014.8.26.0515, da Comarca de Rosana, em que é recorrente JOSE ALVES DOS SANTOS, é recorrido MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

ACORDAM, em 14ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Negaram provimento ao recurso. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MARCO DE LORENZI (Presidente sem voto), HERMANN HERSCHANDER E WALTER DA SILVA.

São Paulo, 5 de abril de 2018.

Miguel Marques e Silva

RELATOR

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

VOTO Nº: 33374

REC. SENTIDO ESTRITO Nº: 0001967-05.2014.8.26.0515 -Rosana

RECTE.: JOSÉ ALVES DOS SANTOS

RECDO.: MINISTÉRIO PÚBLICO

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO Art. 121, § 2º, incisos II e III, do Código Penal - Qualificadoras que não se revelam impertinentes ou descabidas

Afastamento Impossibilidade - Competência do Tribunal do Júri para dirimir a questão Recurso improvido.

Trata-se de recurso em sentido estrito interposto por JOSÉ ALVES DOS SANTOS nos autos da ação penal em que lhe é promovida pela prática do crime descrito no art. 121, § 2º, incisos II e III do Código Penal, que tramita perante a Vara Única da Comarca de Rosana, irresignado contra a r. decisão que o pronunciou (fls. 295/297).

Objetiva o combativo defensor do recorrente a reforma do entendimento esposado, pleiteando, tão somente, o afastamento das qualificadoras (fls. 311/319).

Recebido, contrariado (fls. 322/325), opinou a

douta Procuradoria de Justiça pelo improvimento (fls. 331/335).

O douto magistrado de primeiro grau manteve o decidido (fls. 339).

É o relatório.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O recurso não merece prosperar.

Com efeito, o réu alegou que na data dos fatos a vítima foi até sua casa cobrar uma dívida antes do seu vencimento; após dizer que apenas pagaria na data combinada, ela começou a provocá-lo, dizendo que iria colocar fogo em seu barraco; a vítima começou a quebrar o vidro de sua casa; ela tentou lhe dar uma paulada; perdeu a cabeça e desferiu os golpes de facão nela (mídia de fls. 124).

As testemunhas José Antonio de Caldas e Vilmar Albuquerque informaram que acompanharam a vítima até a residência do réu, mas foram embora antes da ocorrência dos fatos (mídias de fls. 124 e 266).

Anderson Garcia Alves dos Santos, filho do réu, disse que a vítima foi até sua casa e começou a xingar seu pai por causa de uma dívida; ela estava com um pedaço de pau na mão e dizia que iria colocar fogo na casa; o acusado saiu com um facão e o ofendido lhe desferiu uma paulada nas costas; o facão caiu e a vítima o pegou e deu um golpe na testa do acusado; este conseguiu pegar o facão e acertou um golpe no pescoço dela (mídia de fls. 124).

Douglas Farias Ferrari disse que passava pela rua e viu que estava tendo uma discussão; a vítima deu uma paulada na cabeça do réu; o réu foi se defender e desferiu cinco ou seis golpes nela (mídia de fls. 162).

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Desta forma, diante do amealhado nesta fase,

não há que se falar no afastamento das qualificadoras, porque não se

revelam manifestamente descabidas ou impertinentes devendo, por isso,

como o todo suscitado, serem submetidas ao Juiz Natural eleito

constitucionalmente para apreciar e decidir a causa, que é o Tribunal do

Júri.

Como já decidido pelo Colendo Superior

Tribunal de Justiça:

“Somente quando evidente a inexistência de crime ou a ausência de indícios de autoria em decorrência de circunstâncias demonstradas de plano e estreme de dúvidas pode o juiz julgar improcedente a pretensão punitiva, deixando de pronunciar o réu, sendo que eventuais dúvidas sobre tais circunstâncias deverão ser dirimidas apenas pelo Tribunal do Júri. A exposição, pelo Julgador monocrático, de consistente suspeita jurídica da existência do delito, assim como da possível participação do paciente no mesmo, com base nos indícios dos autos, já legitima a sentença de pronúncia. É imprópria a alegação de que a sentença de pronúncia poderia influenciar a decisão do Conselho de Sentença, pois os jurados, quando em Sessão Plenária de julgamento, têm a oportunidade de conhecer as duas faces do processo, apresentadas pela acusação e pela defesa, optando por uma das versões. Ordem denegada.” ( HC 21241/PE, Min. Gilson Dipp, DJ 10.03.2003).

“Recurso Especial. Direito Penal e Processual Penal. Pronúncia. Exclusão de qualificadora. Juízo de valoração das provas. Inadmissibilidade. Na sentença de pronúncia, ou no acórdão que a reexamine, como mero juízo de probabilidade, é vedada a valoração das provas acerca das circunstâncias qualificadoras propostas na denúncia, excluindo-as, salvo se forem manifestamente improcedentes. Havendo indícios de qualificadora e dúvida sobre a situação de fato, deve prevalecer o princípio "in dubio pro societate", pois, por força do texto constitucional, é o Tribunal do Júri o juiz

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

natural dos crimes dolosos contra a vida, cabendo a este órgão, em regra, dizer da ocorrência ou não de tais circunstâncias. Recurso conhecido e provido.” (Resp 431211/MG, Min. Paulo Medina, DJ 25.08.2003).

Posto isto, nega-se provimento ao recurso.

MIGUEL MARQUES E SILVA

Relator

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/565254474/19670520148260515-sp-0001967-0520148260515/inteiro-teor-565254520