jusbrasil.com.br
22 de Outubro de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP : 10030097520168260168 SP 1003009-75.2016.8.26.0168 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
ano passado
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SP__10030097520168260168_2d5c0.pdf
DOWNLOAD

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Registro: 2018.0000308438

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1003009-75.2016.8.26.0168, da Comarca de Dracena, em que é apelante SHIRLEY CORDEIRO DE LIMA (JUSTIÇA GRATUITA), é apelado EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO AGUA ESGOTO E PAVIMENTAÇAO DE DRACENA EMDAEP.

ACORDAM , em 27ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Deram provimento ao recurso. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ANA CATARINA STRAUCH (Presidente sem voto), MOURÃO NETO E MARCOS GOZZO.

São Paulo, 24 de abril de 2018

DAISE FAJARDO NOGUEIRA JACOT

RELATOR

Assinatura Eletrônica

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

VOTO Nº : 13.656

APELAÇÃO Nº: 1003009-75.2016.8.26.0168

COMARCA : DRACENA - 2ª VARA

APELANTE : SHIRLEY CORDEIRO DE LIMA

APELADA : EMDAEP EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO, ÁGUA,

ESGOTO E PAVIMENTAÇÃO DE DRACENA

JUIZ : MARCUS FRAZÃO FROTA

*AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER. Prestação de serviços. Fornecimento de água e coleta de esgoto. Inadimplência em relação ao período de fevereiro, março, maio a agosto, outubro e novembro de 2013, fevereiro a dezembro de 2014, janeiro a dezembro de 2015 e fevereiro a outubro de 2016. Interrupção da prestação dos serviços no dia 05 de outubro de 2016, sem aviso prévio. SENTENÇA de improcedência. APELAÇÃO da autora, que insiste no acolhimento do pedido inicial. ACOLHIMENTO. Suspensão do serviço em razão de inadimplemento do usuário em relação às contas de consumo que somente é possível quando se referir a débito atual e desde que precedida de aviso prévio com antecedência mínima de trinta (30) dias, “ex vi” do artigo 40, inciso I, e § 2º, da Lei nº 11.445/2007. Ausência de aviso prévio. Autora que está desempregada, é portadora de diabetes e mãe de quatro filhos, sendo três menores de idade. Inadimplência que se iniciou dois meses depois do falecimento do marido, que era o provedor do lar. Circunstâncias reveladoras de que a interrupção do fornecimento de água tem o condão de afetar a saúde e a integridade física da autora e de seus filhos. Demandante que depositou judicialmente o valor correspondente às três últimas faturas de consumo. Caso que comporta o reestabelecimento do serviço com a confirmação da decisão antecipada. Verbas sucumbenciais que devem ser arcadas pela ré, arbitrada a honorária, por equidade, em R$ 1.000,00, “ex vi” do artigo 85, §§ 2º e , do CPC de 2015. Sentença reformada. RECURSO PROVIDO.*

Vistos.

O MM. Juiz “a quo” proferiu a r. sentença apelada,

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

decidindo “in verbis”: “...Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial e extingo o feito com fundamento no artigo 487, inciso I e 316, ambos do Código de Processo Civil. Em consequência, REVOGO a liminar concedida às fls. 27/29.Determino o levantamento da quantia depositada às fls. 49/50 em favor da requerida. Sucumbente, condeno a autora ao pagamento das custas, despesas processuais e honorários advocatícios, que fixo em R$1.000,00, nos termos do artigo 85, §§ 2º e 8º, do Código de Processo Civil. Por ser a parte autora beneficiária da gratuidade da justiça, as obrigações decorrentes de sua sucumbência ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente poderão ser executadas se, nos 5 (cinco) anos subsequentes ao trânsito em julgado desta decisão, o credor demonstrar que deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que justificou a concessão de gratuidade, extinguindo-se, passado esse prazo, tais obrigações do beneficiário (CPC, artigo 98, §§ 2º e 3º)” (“sic”, fls. 148/154).

A sentença foi proferida no dia 19 de junho de 2017, já sob a égide do Código de Processo Civil de 2015.

Inconformada, apela a autora insistindo no acolhimento do pedido inicial (fls. 156/168).

Anotado o Recurso (fl. 169), a ré apresentou contrarrazões pugnando pela manutenção da sentença (fls. 172/186) e os autos subiram para o reexame (fl. 188).

É o relatório , adotado o de fl. 148.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Conforme já relatado, o MM. Juiz “a quo” proferiu a r. sentença apelada, decidindo “in verbis”: “...Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial e extingo o feito com fundamento no artigo 487, inciso I e 316, ambos do Código de Processo Civil. Em consequência, REVOGO a liminar concedida às fls. 27/29.Determino o levantamento da quantia depositada às fls. 49/50 em favor da requerida. Sucumbente, condeno a autora ao pagamento das custas, despesas processuais e honorários advocatícios, que fixo em R$1.000,00, nos termos do artigo 85, §§ 2º e 8º, do Código de Processo Civil. Por ser a parte autora beneficiária da gratuidade da justiça, as obrigações decorrentes de sua sucumbência ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente poderão ser executadas se, nos 5 (cinco) anos subsequentes ao trânsito em julgado desta decisão, o credor demonstrar que deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que justificou a concessão de gratuidade, extinguindo-se, passado esse prazo, tais obrigações do beneficiário (CPC, artigo 98, §§ 2º e 3º)” (“sic”, fls. 148/154).

A Apelação foi apresentada e processada sob a égide do Código de Processo Civil de 2015 e comporta conhecimento, porquanto observados os requisitos de admissibilidade recursal no tocante (v. artigos 1.009 e seguintes do Código de Processo Civil de 2015).

Ao que se colhe dos autos, a ré, ora apelante, presta serviços de fornecimento de água e coleta de esgoto para o imóvel onde reside a autora, ora apelada, situado na Rua Bárbara Nascimento Sanches, 116, Bairro Nossa Senhora Aparecida, em Dracena, neste Estado. Consta que

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

a autora deixou de efetuar o pagamento das faturas de consumo vencidas nos meses de fevereiro, março, maio a agosto, outubro e novembro de 2013, fevereiro a dezembro de 2014, janeiro a dezembro de 2015 e fevereiro a outubro de 2016, somando o débito o montante de R$ 1.926,34. Consta que a ré interrompeu a prestação dos serviços no dia 05 de outubro de 2016, sem aviso prévio. Daí a Ação (fls. 1/14 e 15/26).

A autora, ora apelante, afirma na inicial que tentou efetuar o pagamento das contas de consumo vencidas em agosto, setembro e outubro de 2016, mas houve recusa da ré, ora apelada, razão pela qual a consumidora fez o depósito judicial do valor correspondente (fls. 124/131).

O Recurso comporta acolhimento.

Com efeito, a Lei nº 11.445/2007 estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e prevê no artigo 40, inciso V, a possibilidade de interrupção da prestação dos serviços de fornecimento de água por parte da Concessionária em razão de inadimplemento do usuário em relação ao pagamento das tarifas correspondentes.

Sobre o assunto, o C. Superior Tribunal de Justiça já firmou entendimento no sentido de que o corte no fornecimento de água por falta de pagamento é possível na hipótese de cobrança regular, relativa a débito atual, e desde que remetido aviso prévio ao consumidor e a interrupção não afete o direito à saúde e à integridade física do usuário (AgRg no AREsp 752030 / RJ, REsp 1245812/RS, EDcl no AgRg no Ag 1085216/RJ, AgRg no AREsp 364470 / RJ).

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Já se viu, no caso dos autos a inadimplência da autora se refere aos meses de fevereiro, março, maio a agosto, outubro e novembro de 2013, fevereiro a dezembro de 2014, janeiro a dezembro de 2015 e fevereiro a outubro de 2016. Embora o constante inadimplemento, o fato é que a ré não notificou a autora, concedendo a ela o aviso prévio de trinta (30) dias para o pagamento sob pena de suspensão do serviço. A autora foi surpreendida com a interrupção do fornecimento da água ao seu imóvel residencial no dia 05 de outubro de 2010.

Conquanto patente a existência de “débito atual” na data do corte, era imperioso o aviso prévio de trinta (30) dias, “ex vi” da previsão contida no § 2º do artigo 40 da mencionada Lei nº 11.445/2007, que “in verbis” estabelece: “será precedida de prévio aviso ao usuário, não inferior a 30 (trinta) dias da data prevista para a suspensão”.

Portanto, tem-se que a ré extrapolou na providência para forçar a autora à quitação do débito, passando ao largo do exercício regular de um direito, mormente tendo em vista tratar-se de consumidora desempregada, portadora de diabetes, com quatro (4) filhos, dos quais três (3) deles menores de idade, que ficou viúva do marido provedor no dia 20 de novembro de 2012 (v. fls. 18/22, 23 e 24). Aliás, essas circunstâncias são reveladoras de que a interrupção do fornecimento de água tem o condão de afetar a saúde e a integridade física da autora e de seus filhos.

Demais, a autora comprovou o depósito judicial do débito referente às contas de consumo vencidas nos meses de agosto,

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

setembro e outubro de 2016 (fls. 52/59), demonstrando a intenção de retomar

o pagamento desse serviço.

Assim, faz-se de rigor o reestabelecimento do

fornecimento de água e coleta de esgoto ao imóvel da autora, com a

restauração da liminar concedida nas fls. 27/29, arcando a ré com as verbas

sucumbenciais.

A propósito, eis a Jurisprudência:

AÇÃO CIVIL PÚBLICA. SERVIÇO PÚBLICO. FORNECIMENTO DE ÁGUA.

INTERRUPÇÃO. ART. 6, § 3º, INCISO II, DA LEI N.º 8.987/95. LEGALIDADE.

1. Nos termos da Lei n. 8.987/95, não se considera quebra na continuidade do serviço público

a sua interrupção em situação emergencial ou após prévio aviso quando motivada pelo

inadimplemento do usuário. Assim, inexiste qualquer ilegalidade ou afronta às disposições

constantes do Código de Defesa do Consumidor no corte do fornecimento de água ao usuário

inadimplente.

2. Recurso especial improvido.

(REsp 596.320/PR, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, SEGUNDA TURMA, julgado

em 12/12/2006, DJ 08/02/2007, p. 311)

1138476-36.2016.8.26.0100 Classe/Assunto: Apelação / Fornecimento de Água

Relator (a): Ricardo Pessoa de Mello Belli

Comarca: São Paulo

Órgão julgador: 19ª Câmara de Direito Privado

Data do julgamento: 05/02/2018

Data de publicação: 16/02/2018

Data de registro: 16/02/2018

Ementa: Apelação Ação cominatória c.c. repetição de indébito c.c. indenizatória Serviços

de fornecimento de água e coleta de esgoto Interrupção em duas oportunidades com base em

inadimplemento Contas em questão legítimas, pois referentes a serviços solicitados e voltados

à adequada ligação do imóvel à rede de esgoto Ilegitimidade dos cortes, porém, porque

realizados sem aviso prévio, em desatenção ao disposto no art. , § 3º, da Lei nº 8.987/95

Dano moral sem sombra de dúvida verificado, a se considerar que a autora, senhora

octogenária e doente, se viu privada do fornecimento de água, em duas oportunidades e por

períodos consideráveis, no imóvel que lhe serve de residência Indenização que se arbitra na

quantia de R$ 10.000,00, nos termos do pedido Sentença parcialmente reformada, com a

condenação da ré a restituir o que a autora pagou para a religação dos serviços, de forma

simples, e para a majoração da indenização por danos morais. Dispositivo: Deram parcial

provimento à apelação da autora, prejudicada a da ré

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

1003266-65.2016.8.26.0309 Classe/Assunto: Apelação / Fornecimento de Água

Relator (a): Flávio Cunha da Silva

Comarca: Jundiaí

Órgão julgador: 38ª Câmara de Direito Privado

Data do julgamento: 19/04/2017

Data de publicação: 25/04/2017

Data de registro: 25/04/2017

Ementa: Apelação. Ação de obrigação de fazer c.c. pedido de indenização por danos morais. Interrupção no fornecimento de água sem comprovação de prévio aviso e com fundamento em dívida pretérita. Ilegalidade. Danos morais configurados. Sentença confirmada. Recurso desprovido.

0004558-83.2013.8.26.0220 Classe/Assunto: Apelação / Fornecimento de Água

Relator (a): Marcondes D'Angelo

Comarca: Guaratinguetá

Órgão julgador: 25ª Câmara de Direito Privado

Data do julgamento: 19/03/2015

Data de publicação: 23/03/2015

Data de registro: 23/03/2015

Ementa: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FORNECIMENTO DE ÁGUA E COLETA DE ESGOTO INDENIZATÓRIA POR DANOS MATERIAIS E MORAIS REPETIÇÃO DE INDEBITO NÃO ACOLHIDO - AÇÃO DE COBRANÇA. 1. Corte no fornecimento de água pela concessionária, em virtude de alegada inadimplência de valores atuais pelo usuário consumidor. Impossibilidade, face aos princípios da continuidade e da essencialidade na prestação dos serviços públicos. Compara-se o corte no fornecimento de água à interrupção do fornecimento de energia. Manobra que extrapola os limites da legalidade, existindo outros meios para buscar o adimplemento do débito. 2. Dano moral configurado. Autor que teve seu imóvel tolhido da prestação de serviços de água e coleta de esgoto, em atitude unilateral da requerida, sem qualquer aviso prévio. Irregularidade. Indenização devida, que, contudo, deve ter conteúdo didático de modo a coibir a reincidência do causador do dano, sem enriquecer a vítima. Adequação do "quantum" indenizatório arbitrado em primeira instância. 3. Danos materiais não comprovados. Ausente prova de irregular cobrança ou defeito no relógio medidor. Diferença substancial observada no valor constante na fatura de um único mês de consumo, que não reflete necessariamente em erro na medição realizada. Repetição de indébito indeferida. Sentença reformada. Recurso de apelação em parte provido para melhor adequar o "quantum" indenizatório, sem reflexo nas verbas sucumbenciais.

0015136-45.2012.8.26.0510 Apelação / Fornecimento de Água

Relator (a): Silvia Rocha

Comarca: Rio Claro

Órgão julgador: 29ª Câmara de Direito Privado

Data do julgamento: 27/01/2016

Data de registro: 27/01/2016

Ementa: - Prestação de serviço - Fornecimento de água Ação de obrigação de fazer para compelir concessionária de serviço público a manter o fornecimento de água no imóvel do autor - A falta de pagamento da conta atual e mensal de água, desde que com prévio aviso formalizado , autoriza o corte do fornecimento Ainda que, no caso, se trate de dívida atual, não houve demonstração de ter sido enviada ao consumidor prévia notificação quanto à

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

existência do débito e da intenção de interromper o fornecimento do serviço Corte

inadmissível Apelo não provido.

1001827-56.2015.8.26.0405 Apelação / Fornecimento de Água

Relator (a): Paulo Ayrosa

Comarca: Osasco

Órgão julgador: 31ª Câmara de Direito Privado

Data do julgamento: 15/09/2015

Data de registro: 16/09/2015

Ementa: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER C.C.

INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL FORNECIMENTO DE ÁGUA CORTE FATURA

REGULAR E DÉBITOS PRETÉRITOS AVISO PRÉVIO NECESSIDADE (EXEGESE NO

DISPOSTO NO ART. 6º, PARÁGRAFO 3º, I E II DA LEI 8.987/95)

RESTABELECIMENTO DO FORNECIMENTO DE ÁGUA AUSÊNCIA DE DANOS MORAIS

RECURSO PROVIDO EM PARTE. I- A Lei nº 8.987/95, editada com suporte no permissivo

constitucional do art. 175 da CF, em seu art. , § 3º, I e II, reconhece a legalidade da

suspensão do serviço quando o usuário estiver inadimplente, devendo ser este, contudo,

previamente avisado da suspensão dos serviços face a existência de débito, o que não

ocorreu. Além disso, referindo-se a ausência de pagamento invocada pela empresa

concessionária a débito pretérito, injustificável a suspensão dos serviços. II- Considerando a

confessada inadimplência por parte do autor, não há que se falar em dano moral.

Impõe-se, pois, o acolhimento do Recurso para

condenar a ré a cumprir obrigação de fazer consistente no restabelecimento

do serviço de fornecimento de água e coleta de esgoto ao imóvel da autora,

com a confirmação da decisão antecipatória, arcando a ré com as custas e

despesas processuais, além dos honorários advocatícios que são arbitrados

por equidade em R$ 1.000,00, “ex vi” do artigo 85, §§ 2º e 8º, do Código de

Processo Civil de 2015.

Diante do exposto, dá-se provimento ao Recurso.

DAISE FAJARDO NOGUEIRA JACOT

Relatora