jusbrasil.com.br
21 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Habeas Corpus Criminal : HC 20392418320198260000 SP 2039241-83.2019.8.26.0000 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 5 meses
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SP_HC_20392418320198260000_4a9bb.pdf
DOWNLOAD

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Registro: 2019.0000205881

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Habeas Corpus Criminal nº 2039241-83.2019.8.26.0000, da Comarca de Mairinque, em que é impetrante

FERNANDO DE MOURA e Paciente JOEL TOSTES DE ARAÚJO, é impetrado

MM JUIZ DE DIREITO DA 1ª: VARA DO FORO DISTRITAL DE MAIRINQUE.

ACORDAM, em 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de

Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: "Diante de todo o exposto,

DENEGARAM A ORDEM impetrada. V.U.", de conformidade com o voto do

Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores

SÉRGIO RIBAS (Presidente), MARCO ANTÔNIO COGAN E ALCIDES

MALOSSI JUNIOR.

São Paulo, 21 de março de 2019.

SÉRGIO RIBAS

RELATOR

Assinatura Eletrônica

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Habeas Corpus Criminal nº 2039241-83.2019.8.26.0000

Impetrante: Fernando de Moura

Paciente: Joel Tostes de Araújo

Impetrado: Mm Juiz de Direito da 1ª: Vara do Foro Distrital de Mairinque

Comarca: Mairinque

Voto nº 37.261

Habeas corpus Estupro (duas vezes)

Concessão de liberdade provisória por ausência de fundamentação Impossibilidade Presentes os requisitos do art. 312, do CPP Excesso de prazo para formação da culpa Inocorrência O prazo tido como razoável para o encerramento da instrução criminal é construção jurisprudencial

A simples ultrapassagem dos prazos legais não assegura ao paciente o direito à liberdade

Inexistência de constrangimento ilegal Ordem denegada.

Vistos.

O Advogado Fernando de Moura,

impetra o presente habeas corpus, com pedido liminar, em favor de Joel Tostes de Araújo, alegando que o ora paciente está a sofrer constrangimento ilegal, apontando como autoridade coatora o MM. Juízo de Direito da 1ª Vara Criminal da Comarca de Mairinque.

Relata o d. impetrante, em síntese,

que deve ser concedida a liberdade provisória do paciente pela falta do binômio necessidade adequabilidade elencada no artigo 282 do Código de Processo Penal.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Ressalta que o paciente é primário,

com ótimos antecedentes, residência fixa, não devendo ser mantida a custódia cautelar.

Declara que em 11 de agosto de

2001 foi decretada a prisão temporária do paciente, posteriormente, foi convertida em prisão preventiva, houve a suspensão do processo nos moldes do artigo 366 do CPP.

Afirma que sem que tivesse

qualquer conhecimento do Inquérito Policial ou de qualquer outro processo, o paciente foi residir e trabalhar no estado do Mato Grosso, retornando por volta de 2016, onde começou novo ofício na cidade Boituva.

Diz ainda que o paciente

desconhecia, inclusive, o Mandado de Prisão e de processo em seu nome, o que é absolutamente notório tendo em vista que sua prisão deu-se dentro de uma unidade do Poupa Tempo no momento renovava seus documentos. Com a prisão do paciente foi revogada a suspensão do processo.

Assevera que no período de 14

(quatorze) anos não foram feitas as antecipações das provas consideradas urgentes, no momento da suspensão do processo pelo magistrado a quo.

Acrescenta que diante dos fatos, a

defesa requereu a liberdade provisória fundamentando no excesso de prazo na instrução criminal e do desvio de finalidade da prisão preventiva como antecipação da pena.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

Aduz não ser condizente a

fundamentação da prisão preventiva na gravidade do delito uma vez que ainda não houve a sentença e o seu direito de presunção de inocência deve prevalecer.

Pleiteia, liminarmente, a concessão

da ordem, a fim de revogar a prisão decretada, e por consequência a liberdade provisória cominada com medida cautelar diversa do cárcere, confirmando-se, ao final, a impetração.

O pedido de liminar foi indeferido às fls. 32/34.

A digna autoridade apontada como

coatora prestou as informações às fls. 37/38, juntando documentos pertinentes às fls. 39/90.

A douta Procuradoria Geral de

Justiça, em parecer às fls. 93/99, manifestou-se pela denegação da ordem.

É o relatório.

A presente ordem é de ser denegada.

Conforme informações prestadas

nos autos, o paciente foi denunciado corno incurso nos artigos 213 (por duas vezes, na forma do art. 69 do CP), c.c. o art. 223, § único e com o art. 226, 1, todos do CP, c.c. o art. 10, V, da Lei 8072/90. A denúncia foi recebida por decisão proferida em 09 de maio de 2006,

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

São Paulo

com designação da audiência de interrogatório (fis. 106). Diante do não comparecimento do paciente, foi redesignado novamente o ato e determinada sua citação e intimação por edital.

Informa ainda que, devidamente

citado e intimado por edital, novamente foi constatada a ausência do paciente na audiência de interrogatório. Diante de sua não localização, por decisão proferida em 28 de maio de 2007, foram os autos suspensos, nos termos do art. 366 do CPP. Em 06 de agosto de 2018, foi dado cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido na fase de investigação. Por decisão proferi...