jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível : AC 00009549120108260100 SP 0000954-91.2010.8.26.0100 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 3 meses
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SP_AC_00009549120108260100_92694.pdf
DOWNLOAD

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2019.0000427546

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº 0000954-91.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante PATRICIA ZWICKER GUZZI, são apelados CYNTHIA QUINDERÉ CARDOSO, NIVEA MARA ZWICKER CARTIANU, NÍDEA DAN ZWICKER CARTIANU, ALEXANDRE DAN ZWICKER CARTIANU, NICOLAU PINHEIRO CARDOSO, DANIELA ZWICKER GUZZI SCHMIDT, ICARO CARDOSO, ÍCARO ZWICKER CARDOSO (MENOR (ES) ASSISTIDO (S)), ALEXANDRE CARDOSO, DIEGO DOS SANTOS CARDOSO e ANDREA ZWICKER GUZZI.

ACORDAM , em sessão permanente e virtual da 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: Negaram provimento ao recurso. V. U. , de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores SILVÉRIO DA SILVA (Presidente), THEODURETO CAMARGO E ALEXANDRE COELHO.

São Paulo, 30 de maio de 2019.

Silvério da Silva

Relator

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

VOTO Nº: 17946

APELAÇÃO CÍVEL Nº: 0000954-91.2010.8.26.0100

COMARCA: SÃO PAULO

APELANTE: PATRICIA ZWICKER GUZZI

APELADO: NIVEA MARA ZWICKER CARTIANU E OUTROS

JUIZ: DR. ANDRE SALOMON TUDISCO

R.G.

Apelação cível. Ação de deserção. A deserção consiste na privação da legítima por vontade do autor da herança, mediante disposição testamentária, por algumas das causas taxativamente relacionadas nos artigos 1962 e 1963 do Código Civil. O artigo 1963 do Código Civil estabelece como uma das causas que autorizam a deserção dos ascendentes pelos descendentes o “desamparo do filho ou neto com a deficiência mental ou grave enfermidade” (IV). A deserdação tem caráter excepcional e apenas prevalece quando devidamente comprovada a hipótese legal que a ensejou, conforme rol taxativo previsto em lei (artigos 1962 e 1963 do CC), o qual não admite interpretação extensiva. A autora não logrou trazer aos autos elementos suficientes para demonstrar que a falecida tenha sido acometida de doença grave e que os herdeiros deserdados tenham efetivamente a deixado em situação de abandono e desamparo. Ainda que pudesse existir falta de afetividade entre a falecida, filhos e netos, e isto de fato lhe tenha causado sofrimento e tristeza, não é uma das hipóteses previstas para a causa de deserdação, e não se permite interpretação extensiva. Apelo desprovido.

Trata-se de ação de deserção, em dependência ao

processo de inventário n. 0159923-49.2006 na qual a autora alega que,

por disposição de última vontade, a falecida deserdou os réus de sua

herança devido ao total desamparo destes, em grave enfermidade

enfrentada pela mesma. Diz que a falecida só perdeu o seu poder de

cognição, desencadeando o mal de Alzheimer em abril de 2004, após

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ser acometida por um AVC e alega que antes de abril de 2004 a testadora se encontrava em perfeito estado de saúde mental, tendo comparecido em 14 de janeiro do mesmo ano ao 4º Tabelionato de Notas, onde solicitou que fosse lavrada a procuração outorgando poderes para a autora gerir e administrar todos os seus bens e direitos, diante de sua dificuldade de locomoção. Aduz que após o falecimento da testadora, a testamenteira nomeada ingressou com pedido de confirmação, registro, arquivamento e cumprimento que tramitou perante a 8ª Vara da Família e Sucessões do Foro Central da Capital, autos n. 583.00.2006.159922-7, ocasião em que restou comprovado que a época da feitura do testamento particular, a falecida possuía total discernimento para poder externar sua vontade, tendo sido preenchidos todos os requisitos para a validação do testamento. Requer o reconhecimento da deserção dos réus e consequentemente exclusão dos mesmos da sucessão.

A sentença de págs. 335/340, cujo relatório se adota, julgou improcedente a ação, julgando extinto o processo e o de n. 00627694-08.2008.8.26.0100, com resolução de mérito, nos termos do artigo 487, inciso I, do Código de Processo Civil.

Apelação interposta às págs. 344/354 pela autora alegando que a falecida deserdou seus descendentes de forma consciente por abandono, falta de apoio afetivo e emocional à enfermo, no caso, a testadora.

Certidão de pág. 362 informando o transcurso de prazo sem apresentação de contrarrazões.

A Procuradoria Geral de Justiça manifestou-se pelo não provimento do recurso.

É o relatório.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

A deserção consiste na privação da legítima por vontade do autor da herança, mediante disposição testamentária, por algumas das causas taxativamente relacionadas nos artigos 1962 e 1963 do Código Civil.

O artigo 1963 do Código Civil estabelece como uma das causas que autorizam a deserção dos ascendentes pelos descendentes o “desamparo do filho ou neto com a deficiência mental ou grave enfermidade” (IV).

No testamento particular de Bertha Zuicker, a mesma declara o seu desejo de “todos os bens que constituírem o meu disponível de qualquer natureza ou procedência, em principal, a parte disponível de meu apartamento localizado na Avenida Aratãs, n. 520, apartamento n. 43, ou seja, 50% (cinquenta por cento) do mencionado imóvel, sejam atribuídos a minha neta PATRÍCIA ZWICKER GUZZI, filha de minha filha Nívea Mara Zwicker Cartianu e de Tomaz Wilson Guzzi. Outrossim, expressamente determino a deserdação de minha filha Nívea Mara Zwicker Cartianu, bem como de minhas netas Andrea Zwicker Guzzi, Daniela Zwicker Guzzi, Nídea Dan Zwicker Cartianu e de ...