jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Remessa Necessária Cível : 10469592320188260053 SP 1046959-23.2018.8.26.0053 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 2 meses
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-SP__10469592320188260053_6cdbc.pdf
DOWNLOAD

Registro: 2019.0000478558

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Remessa Necessária Cível nº 1046959-23.2018.8.26.0053, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente JUÍZO EX OFFICIO, é recorrido CRISTIANO APARECIDO DOS SANTOS.

ACORDAM , em sessão permanente e virtual da 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: Negaram provimento à remessa necessária. V. U. , de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores RICARDO DIP (Presidente), JARBAS GOMES E OSCILD DE LIMA JÚNIOR.

São Paulo, 17 de junho de 2019.

Ricardo Dip

Relator

Assinatura Eletrônica

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

11ª Câmara de Direito Público

Remessa Necessária 1046959-23.2018.8.26.0053

Procedência: São Paulo

Relator: Des. Ricardo Dip (Voto 54.627)

Remetente: Juízo da 1ª Vara da Fazenda pública da

comarca de São Paulo

Interessados: Cristiano Aparecido dos Santos Departamento Estadual de Trânsito Detran

MANDADO DE SEGURANÇA. INFLIÇÃO DE PENALIDADE, PENDENTE EMBORA PROCESSO ADMINISTRATIVO.

- Somente esgotados os meios impugnatórios perante a administração pública, as penalidades correspondentes hão de ser cadastradas no R egistro nacional de carteira de habilitação (Renach), a teor do que enuncia o parágrafo único do art. 290 do Código de trânsito brasileiro.

- Tem-se que, num ponto de vista constitucional, na pendência do exercício do direito de defesa e de contraditório não possa a Administração pública antecipar a inflição de penalidades, porque isso implicaria uma ruptura com garantias expressas inscritas no Código Político (vide art. 5º, sobretudo inc. LV da C f-88).

N ã o a c o l h i m e n t o d a r e m e s s a n e c e s s á r i a .

RELATÓRIO :

1. Impetrou Cristiano Aparecido dos Santos mandado de segurança contra ato do Diretor de Habilitação do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo -Detran, que pese embora a interposição de recurso em processo administrativo instaurado para aplicar a penalidade de multa por infração de trânsito, determinou o lançamento dos pontos correspondentes no prontuário de sua carteira nacional de habilitação, dando ensejo também à instauração de processo administrativo para a cassação de seu direito de dirigir.

2. O M. Juízo de origem, confirmando a medida liminar (e-págs. 28-9), concedeu a segurança (e-págs. 76-7), manifestando a Promotoria pública da Comarca falta de interesse de agir no feito (e-págs. 74-5).

Indicou-se o reexame necessário, não havendo interposição de recurso (e-pág. 83).

É o relatório em acréscimo ao da sentença, conclusos os autos recursais em 27 de maio 2019 (e-pág. 88).

VOTO :

3. O escopo do presente writ é o de suspender a penalidade aplicada ao impetrante pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo, consistente no lançamento da pontuação no seu prontuário de condutor, a n t e s d e e s g o t a d o s o s m e i o s i m p u g n a t ó r i o s p e r a n t e a

Administração pública.

4. O impetrante juntou aos autos documento que confirma ter interposto, em 2 de agosto de 2018, recurso em processo administrativo contra ele instaurado (referente ao auto de infração n. 1I2578573), pendente ainda de julgamento quando foram inseridos os pontos em seu prontuário de condutor (vide e-págs. 12-6) e instaurado processo administrativo para a cassação de seu direito de dirigir (n. 14/2018 cf. e-págs. 36-70).

Somente esgotados os meios impugnatórios perante a administração pública , as penalidades correspondentes hão de ser cadastradas no Registro nacional de carteira de habilitação (Renach), a teor do que enuncia o parágrafo único do art. 290 do Código de trânsito brasileiro.

5. Deve conjugar-se acaso, a

disciplina codificada com o que consta da Resolução n. 182, de 2005, emitida pelo Contran, que versa a

“uniformização do procedimento administrativo para imposição das penalidades de suspensão do direito de dirigir e de cassação da Carteira Nacional de Habilitação” (art. 2º),

e prescreve que as penalidades de que essa mesma Resolução trata

“serão aplicadas pela autoridade de trânsito do órgão de registro da habilitação, em processo administrativo, assegurada a ampla defesa”,

d e t a l m o d o q u e a p e n a s

“esgotados todos os meios de defesa da infração na esfera administrativa, os pontos serão considerados para fins de instauração de processo administrativo para aplicação da penalidade de suspensão do direito de dirigir (art. 6º, Resol. cit.).

De sorte que só em caso de não se ter acolhido a

defesa ou na hipótese de seu não exercício no prazo

legal, “a autoridade de trânsito aplicará a penalidade”

(art. 9º, Resol.), e ainda:

“Mantida a penalidade pelos órgãos rec...