jusbrasil.com.br
27 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Agravo de Instrumento: AI 2230798-62.2019.8.26.0000 SP 2230798-62.2019.8.26.0000 - Inteiro Teor

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 3 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

35ª Câmara de Direito Privado

Publicação

22/10/2019

Julgamento

22 de Outubro de 2019

Relator

Melo Bueno

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-SP_AI_22307986220198260000_25e1d.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2019.0000877394

Agravo de Instrumento Processo nº 2230798-62.2019.8.26.0000

Relator (a): MELO BUENO

Órgão Julgador: 35ª Câmara de Direito Privado

COMARCA: PIRACICABA 1ª VARA CÍVEL

AGRAVANTE (S): CONDOMÍNIO RESIDENCIAL COLINAS DE PIRACICABA

AGRAVADO (S): ARIETE CARRARO DE CARVALHO E OUTRO

JUIZ (A): EDUARDO VELHO NETO

VOTO Nº 45809

DECISÃO MONOCRÁTICA

(CPC/15, artigo 932 Súmula 568, do E. STJ)

Cuida-se de agravo de instrumento contra r. decisão de fl.7, que indeferiu a penhora do imóvel, nos autos da execução de título extrajudicial, fundada em despesas condominiais. O agravante sustenta, em síntese que, o fato de os agravados não terem levado a registro compromisso de compra e venda do imóvel, não impede que respondam pelo débito exequendo, bem como, não torna impossível a penhora do imóvel gerador das despesas condominiais, diante da natureza propter rem da obrigação, e para que a averbação possa ser realizada, basta a intimação da detentora do título dominial a respeito da constrição.

Com efeito, por não integrar o patrimônio do devedor, diante da ausência de título translativo da propriedade, inviável a penhora da unidade condominial geradora do débito, em observância ao princípio da continuidade registrária, eis que, a despeito da natureza “propter rem” da obrigação, o imóvel se encontra registrado em nome de

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Planedi Edificação Planejada Ltda, não podendo esta ter seu patrimônio atingido, pois

terceira estranha à lide. Observando-se, todavia, que nada impede que a penhora incida

sobre os direitos dos agravados oriundos do contrato de promessa de compra e venda

firmado com a proprietária, nos termos do artigo 835, XII, do CPC. A propósito, confira-se

entendimento do C. STJ:

“RECURSO ESPECIAL. CIVIL. DESPESAS CONDOMINIAIS. PROMISSÁRIO COMPRADOR. AÇÃO DE COBRANÇA. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA. PENHORA DOS DIREITOS. POSSIBILIDADE. CONSTRIÇÃO. IMÓVEL GERADOR DA DÍVIDA. INADMISSIBILIDADE. PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE.

1. Cinge-se a controvérsia a saber se, não tendo o proprietário do bem figurado na ação de cobrança de cotas condominiais, mas tão somente o promissário comprador, é possível, em execução, a penhora do próprio imóvel que gerou a dívida ou apenas a constrição sobre os direitos aquisitivos decorrentes do compromisso de compra e venda.

2. Ajuizada a ação contra o promissário comprador, este responde com todo o seu patrimônio pessoal, o qual não inclui o imóvel que deu origem ao débito condominial, haja vista integrar o patrimônio do promitente vendedor, titular do direito de propriedade, cabendo tão somente a penhora do direito à aquisição da propriedade.

3. A penhora do unidade condominial em execução não pode ser autorizada em prejuízo de quem não tenha sido parte na ação de cobrança na qual se formou o título executivo. Necessária a vinculação entre o polo passivo da ação de conhecimento e o polo passivo da ação de execução.

4. Pelo princípio da continuidade registrária (arts. 195 e 237 da Lei nº 6.216/1975), a transferência de direito sobre o imóvel depende de que este preexista no patrimônio do transferente, o que, no caso, torna inviável a penhora do próprio imóvel em virtude da ausência de título anterior em nome dos executados.

1

5. Recurso especial não provido.”

No mesmo sentido, jurisprudência desta C. Corte:

“AGRAVO DE INSTRUMENTO AGRAVO DE INSTRUMENTO

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DESPESAS CONDOMINIAIS

Impossibilidade de penhora do imóvel, cuja titularidade é da promitente vendedora Dívida "propter rem" que não autoriza a responsabilidade patrimonial de terceiros que não participam da lide Possibilidade de penhora apenas dos direitos aquisitivos

2

do executado sobre o bem Negado provimento.”

“Agravo de instrumento. Despesas condominiais. Cumprimento de sentença. Penhora dos direitos aquisitivos dos executados sobre imóvel registrado em nome de terceiro estranho à lide. Possibilidade de penhora dos direitos possessórios independente do registro do compromisso de compra e venda. Inteligência do art. 835, XII, do CPC

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Recurso provido.” 3

“DESPESAS CONDOMINIAIS Agravo de Instrumento - Ação de execução de título

extrajudicial - Penhora do imóvel gerador das despesas condominiais, registrado em

nome de terceiro, que não é parte no processo de execução Impossibilidade, mas

permitida a constrição sobre os direitos decorrentes de instrumento de compra e

venda Precedentes Recurso improvido, com observação.” 4

“Despesas condominiais Execução de título extrajudicial Decurso do prazo sem

pagamento espontâneo nem oposição de embargos Penhora dos direitos que a

executada detém sobre imóvel gerador do débito Possibilidade Rol do art. 835 do

CPC que prevê ordem preferencial a ser observada caso a caso Constrição deferida

Agravo provido em parte.” 5

Deste modo, nada há a reparar na r. decisão agravada que fica mantida

pelos seus próprios fundamentos.

Ante o exposto, nego provimento ao recurso, com observação.

São Paulo, 21 de outubro de 2019.

FERNANDO MELO BUENO FILHO

Desembargador Relator

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/772503271/agravo-de-instrumento-ai-22307986220198260000-sp-2230798-6220198260000/inteiro-teor-772503311