jusbrasil.com.br
21 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo
ano passado
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
4ª Câmara de Direito Criminal
Publicação
23/07/2020
Julgamento
23 de Julho de 2020
Relator
Roberto Porto
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-SP_EP_00054220720208260502_c6edb.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2020.0000564527

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Execução Penal nº 0005422-07.2020.8.26.0502, da Comarca de Campinas, em que é agravante L. C. B., é agravado M. P. DO E. DE S. P..

ACORDAM , em sessão permanente e virtual da 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: Negaram provimento ao recurso. V. U. , de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores CAMILO LÉLLIS (Presidente) e EUVALDO CHAIB.

São Paulo, 23 de julho de 2020.

ROBERTO PORTO

Relator

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Agravo em Execução Penal nº 0005422-07.2020.8.26.0502

Agravante: Leonardo Cândido Bertuzzi

Agravado: Ministério Público

Comarca: Campinas Unidade Regional de Departamento Estadual de Execução Criminal DEECRIM 4ª RAJ

Juíza: Luciana Netto Rigoni

Voto nº 7.388

AGRAVO EM EXECUÇÃO Recurso defensivo

Retificação de cálculo para progressão de regime

Pedido de aplicação de 40% da pena para progressão

Descabimento Ausência requisito objetivo Crime Hediondo Reincidência O art. 2º, § 2º da Lei n.º 8.072/90, modificado pela Lei n.º 11.464/2007, não faz distinção entre reincidência comum ou específica, devendo ser aplicada a fração de 3/5 Recurso desprovido.

Trata-se de recurso de agravo em execução penal interposto por Leonardo Cândido Bertuzzi contra a r. decisão de fls. 44/46 dos autos, que indeferiu o pedido de progressão ao regime semiaberto por ele formulado, por entender ausente o requisito objetivo necessário à progressão almejada.

Inconformada, recorre a Defesa pretendendo a progressão do agravante ao regime semiaberto, alegando que somente seria aplicável o inc. VII do art. 112 da Lei de Execução Penal, com o advento da Lei 13.964/2019, que entrou em vigor em 23/01/20, se fosse reincidente específico na prática de crime hediondo (fls. 01/06).

O recurso foi bem processado, com contrariedade oferecida pelo Ministério Público (fls. 55/62) e, mantida a decisão pelo Juízo a quo (fl. 63), vieram os autos a esta Instância.

A Douta Procuradoria de Justiça manifestou-se

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

pelo provimento do agravo, no parecer de fls. 70/71.

É o relatório.

O recurso não comporta provimento.

O agravante foi condenado pelo delito de tráfico de entorpecentes e possui condenação anterior (reincidente) por crime comum.

Pois bem.

O sentenciado alegou, em síntese, que embora seja reincidente, sua condenação anterior foi por crime comum. Argumentou que a novel redação do inciso VII do art. 112 da LEP, dada pela Lei 13.964/19, teria passado a exigir que a reincidência fosse homogênea em crimes hediondos para que fosse aplicada a fração de 3/5 (correspondente a 60%), e que por isso, com o advento da nova Lei, o cálculo de pena deveria ser retificado para aplicar a fração de 2/5 (correspondente a 40%), sustentando que, no ponto, a Lei 13.964/19 consubstanciaria lei mais benéfica, justificando-se sua aplicação retroativa.

Contudo, compulsando a atual dicção do art. 112 da LEP, infere-se que é possível extrair da própria redação do inciso VII que o legislador procurou prestigiar a mesma solução adotada na revogada redação do art. , § 2º, da Lei dos Crimes Hediondos, impondo, para a progressão, o requisito objetivo de 60% (3/5) da pena do crime hediondo, ainda que a reincidência não seja homogênea em crimes desta natureza.

Cumpre mencionar que, conforme já pacificado na jurisprudência, o lapso temporal para a progressão será de 3/5 (ou seja, 60%) a condenados por crimes hediondos, desde que reincidentes, independentemente de ser específica ou comum, de acordo com o artigo 112 da Lei de Execução Penal.

Importante salientar que a imposição de Agravo de Execução Penal nº 0005422-07.2020.8.26.0502 -Voto nº 7.388 3

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

cumprimento de 3/5 da pena para crimes hediondos não faz qualquer menção a reincidência específica, como de fato explicitada para o benefício do livramento condicional. Portanto, a fração incidirá quando o executado, ao praticar crime hediondo, tornar-se reincidente.

O conceito de reincidência referido no art. , § 2º, da Lei nº 8.072/90, com redação dada pela Lei nº 11.464/2007, é o do art. 63 do CP (reincidência genérica).

Nesse sentido, foi correto entendimento da D.

Magistrada em sua r. decisão agravada de fls. 44/46

Nesta linha, tem sido a orientação do C. Superior Tribunal de Justiça. Confira-se:

“AGRAVO REGIMENTAL EM HABEAS CORPUS. EXECUÇÃO PENAL. REINCIDÊNCIA. CIRCUNSTÂNCIA PESSOAL QUE INTERFERE NA EXECUÇÃO COMO UM TODO. APLICAÇÃO DA FRAÇÃO DE 3/5 APENAS AO REINCIDENTE ESPECÍFICO. IMPOSSIBILIDADE. PRECEDENTES.

1. Firmou-se nesta Superior Corte de Justiça entendimento no sentido de que, nos termos da legislação de regência, mostra-se irrelevante que a reincidência seja específica em crime hediondo para a aplicação da fração de 3/5 na progressão de regime, pois não deve haver distinção entre as condenações anteriores (se por crime comum ou por delito hediondo) (AgRg no HC n. 494.404/MS, Ministro Reynaldo Soares da Fonseca, Quinta Turma, DJe 20/5/2019). 2. Agravo regimental improvido.” (AgRg no HC 521434/SP

AGRAVO REGIMENTAL NO HABEAS CORPUS

2019/0205090-3, SEXTA TURMA, Relator Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, j. 01/10/2019).

“EXECUÇÃO PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. PROGRESSÃO DE REGIME. CRIME HEDIONDO. CONDENAÇÃO ANTERIOR POR LESÕES CORPORAIS. APLICAÇÃO DA FRAÇÃO DE 3/5 APENAS AO REINCIDENTE ESPECÍFICO. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. AGRAVO DESPROVIDO. I -Pretende o agravante o reconhecimento da ilegalidade do v. acórdão vergastado, o qual reconheceu que, para a progressão ao regime semiaberto, é necessário o cumprimento de 3/5 da pena, tendo em vista a existência de duas condenações (crime de lesão corporal e tráfico), sob o argumento de que apenas o reincidente específico em crime hediondo deverá cumprir 3/5 (três quintos) da pena que lhe foi imposta para poder progredir de regime prisional. II -Contudo, não há reparos a serem feitos aos pronunciamentos das instâncias ordinárias, pois, no tocante à reincidência indicada no § 2º do artigo 2º da Lei dos Crimes Hediondos, não se exige "que o sentenciado seja reincidente específico em crimes hediondos ou equiparados. O conceito de reincidência referido no art. 2o, § 2o, da Lei nº 8.072/90, com redação dada pela Lei nº 11.464/2007, é o do art. 63 do CP (reincidência genérica)" (JESUS, Damásio de. Código de Processo Penal Anotado. 23ª ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p.729). Precedentes. Agravo regimental desprovido.” (STJ, AgRg no RHC 56240/SP, 5ª Turma, jg. 04/08/2015, DJe 17/08/2015).

Desta forma, a aplicação da fração de 3/5 de resgate da pena do crime hediondo, a reincidentes, independentemente de ser comum ou específica, para a progressão do regime está correta.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Ante o exposto, pelo meu voto, NEGA-SE PROVIMENTO ao agravo interposto pela defesa, mantida, na íntegra, a r. decisão recorrida, por seus próprios e jurídicos fundamentos.

ROBERTO PORTO

Relator

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/896431992/agravo-de-execucao-penal-ep-54220720208260502-sp-0005422-0720208260502/inteiro-teor-896432060