jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de São Paulo
há 2 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

24ª Câmara de Direito Privado

Publicação

26/05/2020

Julgamento

26 de Maio de 2020

Relator

Denise Andréa Martins Retamero

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-SP_AC_10033334020188260477_2cfd3.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Registro: 2020.0000365904

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº 1003333-40.2018.8.26.0477, da Comarca de Praia Grande, em que é apelante JOSÉ HENRIQUE DE ALMEIDA (JUSTIÇA GRATUITA), é apelado BANCO LOSANGO S/A - BANCO MÚLTIPLO.

ACORDAM , em sessão permanente e virtual da 24ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, proferir a seguinte decisão: Deram provimento ao recurso. V. U. , de conformidade com o voto do relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores SALLES VIEIRA (Presidente) e PLINIO NOVAES DE ANDRADE JÚNIOR.

São Paulo, 26 de maio de 2020.

DENISE ANDRÉA MARTINS RETAMERO

Relator

Assinatura Eletrônica

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

24ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

VOTO Nº 11442

APELAÇÃO Nº 1003333-40.2018.8.26.0477

COMARCA: PRAIA GRANDE

APELANTE: JOSÉ HENRIQUE DE ALMEIDA (JUSTIÇA GRATUITA)

APELADOS: BANCO LOSANGO S/A - BANCO MÚLTIPLO E MAGAZINE LUIZA S/A

JUIZ PROLATOR: LEONARDO DE MELLO GONÇALVES

AÇÃO INDENIZATÓRIA NEGATIVAÇÃO INDEVIDA -DANOS MORAIS - “QUANTUM” Majoração -Admissibilidade - Valor fixado em R$ 10.000,00 que atende os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade. Sentença reformada- Recurso provido.

VISTOS.

Trata-se de Recurso de Apelação interposto contra r. sentença, cujo relatório se adota, que julgou procedente a ação indenizatória para condenar os réus solidariamente, ao pagamento da quantia correspondente a R$2.000,00 a titulo de indenização por danos morais e a arcarem com as custas, despesas processuais e honorários advocatício fixados em 10% do valor da condenação.

Recorre o autor pugnando pela majoração

do valor da indenização para no mínimo R$10.000,00.

Não houve contrarrazões.

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

É o relatório

O Apelante-Autor ingressou com a presente Ação Indenizatória por Danos Morais alegando que os réus inscreveram seu nome indevidamente no cadastro de inadimplentes.

Pois bem.

Restou incontroverso nos autos a negativação indevida do nome autor.

O cerne do presente recurso está no valor arbitrado a título de danos morais

E razão assiste ao apelante.

De fato, o quantum fixado a título de

indenização pelos danos morais comporta majoração.

Embora a lei não estabeleça parâmetros para fixação dos danos morais, impõe-se ao Magistrado observar os critérios da razoabilidade e da proporcionalidade, de modo a arbitrar os danos morais de forma moderada, que não seja irrisório a ponto de não desestimular o ofensor, e que não seja excessivo a ponto de configurar instrumento de enriquecimento sem causa.

Nesse sentido, a jurisprudência do Colendo Superior Tribunal de Justiça:

“Em sede de recurso especial, é cediço que, no que tange ao arbitramento de verba compensatória a título de danos extrapatrimoniais, este Tribunal tem reiteradamente se pronunciado no sentido de que a indenização deve ser suficiente para restaurar o bem-estar da vítima, desestimular o ofensor em repetir a falta, não podendo, Apelação Cível nº 1003333-40.2018.8.26.0477 -Voto nº 11442 3

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ainda, constituir enriquecimento sem causa ao ofendido”.(AgRg no Ag 1378431/SP, E. 4ª Turma, Rel. Min. Raul Araújo, j. 06/06/2013).

Da mesma forma, ensina a doutrina:

“O juiz, ao valorar o dano moral, deve arbitrar uma quantia que, de acordo com o seu prudente arbítrio, seja compatível com a reprovabilidade da conduta ilícita, a intensidade e duração do sofrimento experimentado pela vítima, a capacidade econômica do causador do dano e as condições sociais do ofendido” (Sérgio Cavalieri Filho, Programa de Responsabilidade Civil, 10ª edição, Editora Atlas, p. 104).

E no presente caso, entendo razoável

majorar o valor dos danos morais para que os réus sejam

condenado a pagar o montante de R$ 10.000,00, que está mais de

acordo com o caráter ressarcitório e punitivo, sem ofender os

princípios da proporcionalidade e razoabilidade, conforme

parâmetros adotados por esta C. 24ª Câmara de Direito Privado em

casos semelhantes.

Confira-se:

“AÇÃO DECLARATÓRIA C/C INDENIZATÓRIA. Inscrição do nome do consumidor em cadastro de inadimplentes. Negativação supostamente indevida. Sentença de procedência, condenando a parte ré a indenizar o autor no valor de R$10.000,00. Irresignação da parte ré. Descabimento. Relação de consumo por equiparação. Nome do consumidor indevidamente apontado aos órgãos de proteção ao crédito. Em que pese a

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

existência de contrato entre as partes, celebrado mais de 06 anos antes do ajuizamento da demanda, em que o autor atuou como fiador, não está comprovada a existência do débito. Responsabilidade objetiva. Dano 'in re ipsa'. 'Quantum' indenizatório mantido. Atualização a partir da data do arbitramento (Súmula 362 do C. STJ). Sentença mantida. Aplicação do art. 252 do RITJSP. Honorários advocatícios majorados para o importe de R$1.500,00, nos termos do artigo 85, § 11, do CPC. Recurso não provido. (TJSP; Apelação 1038618-78.2016.8.26.0602; Relator (a): Walter Barone; Órgão Julgador: 24ª Câmara de Direito Privado; Foro de Sorocaba 3ª Vara Cível; Data do Julgamento: 29/06/2018; Data de Registro: 29/06/2018)

"AÇÃO DECLARATÓRIA E

INDENIZATÓRIA INADIMPLÊNCIA

CESSÃO DE CRÉDITO NEGATIVAÇÃO INDEVIDA DANOS MORAIS QUANTUM Caracterizada relação de consumo Inversão do ônus da prova Banco réu que, após requerer a extinção da execução por ele proposta, em razão do pagamento do débito, cedeu o respectivo crédito ao fundo de investimento réu, que inseriu o nome o autor nos órgãos de proteção ao crédito Reconhecida a ilegalidade da inscrição do nome do autor nos órgãos de proteção ao crédito por débito já quitado Falha na prestação de serviços Responsabilidade objetiva dos réus Ao assumir a titularidade do crédito, responde também o cessionário por eventuais danos causados ao autor, porquanto tinha o dever de verificar a legalidade do título, mas não o fez Dano moral caracterizado - Ainda que não haja prova do prejuízo, o dano moral puro é presumível Indenização devida, devendo ser fixada com base em

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

critérios legais e doutrinários Indenização bem fixada em R$10.000,00, tendo em vista as peculiaridades do caso, quantia suficiente para indenizar o autor e, ao mesmo tempo, coibir os réus de atitudes semelhantes Sentença mantida - Sentença proferida e publicada quando já em vigor o NCPC Honorários advocatícios majorados, com base no art. 85, § 11, do NCPC, para 20% sobre o valor da condenação Apelos improvidos." (TJSP; Apelação 1000832-04.2017.8.26.0266; Relator (a): Salles Vieira; Órgão Julgador: 24ª Câmara de Direito Privado; Foro de Itanhaém 2ª Vara; Data do Julgamento: 29/05/2018; Data de Registro: 29/05/2018).”

Consigno que, anteriormente, entendia

que a correção monetária, em caso de majoração ou redução do

valor dos danos morais nesta Instância, incidia a partir do Acórdão.

Contudo, alterei a minha posição a

respeito, perfilando o entendimento desta Colenda 24 ª Câmara de

Direito e agora entendo que o valor nestes casos deve ser corrigido

da sentença, acrescido de juros de mora de 1% (um por cento) a

contar da citação, considerando-se tratar-se de responsabilidade

contratual.

E considerando procedentes dos

Tribunais Superiores, que vêm registrando a necessidade do

prequestionamento explícito dos dispositivos legais ou

constitucionais supostamente violados e, a fim de evitar eventuais

embargos de declaração, apenas para tal finalidade, por falta de sua

expressa remissão na decisão vergastada, mesmo quando os tenha

examinado implicitamente, dou por prequestionados os dispositivos

legais e/ou constitucionais apontados pela parte .

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Por fim, advirto as partes que a interposição de embargos de declaração com caráter meramente protelatório será apenada com multa, nos termos do art. 1026, § 2º, do CPC.

Posto isto, pelo meu voto, dou provimento ao recurso.

DENISE ANDRÉA MARTINS RETAMERO

Relatora

Disponível em: https://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/896579583/apelacao-civel-ac-10033334020188260477-sp-1003333-4020188260477/inteiro-teor-896579649

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1681711 PR 2017/0153769-9

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1604892 SP 2019/0313144-1

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 073XXXX-30.2018.8.07.0001 DF 073XXXX-30.2018.8.07.0001

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 10 meses

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Agravo de Instrumento: AI 001XXXX-41.2021.8.16.0000 Cambé 001XXXX-41.2021.8.16.0000 (Acórdão)

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 500XXXX-91.2018.8.13.0301 MG