jusbrasil.com.br
15 de Novembro de 2018
    Adicione tópicos

    Boituva lança projeto ‘Meu Padrinho Amigo’

    Tribunal de Justiça de São Paulo
    há 3 anos

    Para resgatar o direito de convivência familiar de crianças e jovens em regime de acolhimento e oferecer a possibilidade de criarem laços afetivos, a Justiça de Boituva lançou, na última quinta-feira (21), o programa “Meu Padrinho Amigo”. O projeto tem a parceria da Prefeitura e do Conselho Municipal de Direito da Criança e do Adolescente.

    Regulamentado por portaria da 2ª Vara de Boituva (baseada no Provimento nº 36/2014, da Corregedoria Geral da Justiça), o “Meu Padrinho Amigo” permite que pessoas com mais de 18 anos de idade se tornem um padrinho/madrinha e garantam experiências familiares, comunitárias e melhora na autoestima dos pequenos, geralmente crianças e adolescentes com vínculos familiares fragilizados ou rompidos e com remotas chances de adoção ou reintegração familiar. As atividades também incluem passeios fora do serviço de acolhimento.

    A iniciativa conta também com mais três modalidades de apadrinhamento: financeiro, de serviços e material. Essas opções não exigem formação de vínculo com o padrinho, basta contato com o abrigo e fiscalização do juízo, Ministério Público e Conselho Municipal da Criança e do Adolescente.

    Quem se interessar em ser padrinho afetivo deve procurar o serviço de acolhimento ou Setor Técnico do fórum, apresentar os documentos pessoais (inclusive certidão de distribuidor criminal) e aguardar entrevista para avaliação psicossocial. Psicólogos e assistentes sociais identificarão qual acolhido se encaixa no perfil do interessado, propondo o apadrinhamento. Todos os envolvidos participarão de oficinas de esclarecimento e receberão acompanhamento de uma equipe para construir e estreitar os laços afetivos de forma consciente e saudável.

    A juíza da 2ª Vara Judicial de Boituva e coordenadora geral do programa, Heloísa Helena Franchi Nogueira Lucas, explica que carinho e amor são os itens que o candidato deve ter de sobra. “Espera-se que o apadrinhamento implique na melhora de autoestima e de rendimento escolar, ofereça oportunidade de conhecer outros ambientes e pessoas, assim como reduzir os danos provocados pela institucionalização. Ser um ‘Padrinho Amigo’ é doar dias melhores às crianças e adolescentes que vivem nos abrigos”, disse.

    Mais informações sobre o programa no site www.meupadrinhoamigo.com.br

    Solenidade – O lançamento do projeto aconteceu no Instituto Ação Cidadão e contou com apresentações musicais de crianças. Também houve um show de mágica, que deu forma a reflexões sobre ilusão e realidade, correlacionando-as com a situação das crianças. A cerimônia também contou com o depoimento de muitos participantes que já vivenciam o apadrinhamento afetivo na região.

    Comunicação Social TJSP – AG (texto) / Comarca de Boituva (fotos)
    imprensatj@tjsp.jus.br

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)